Lobices

…meiguices de lobos e não só…

>boletim clínico

>…a “doença” invade o nosso País; a todos os níveis; não vejo antídoto que sirva; é a educação, é a saúde, é a justiça, é as finanças públicas, é a convergência, é a direita, o centro e a esquerda, é o medo que se instala lentamente em relação a um futuro que ninguém quer crer que um dia vai ser negro para os nossos filhos e nossos netos…

…a “doença” invade o nosso País; a todos os níveis… é preciso um milagre, talvez ainda existam milagres por aí… alguém tem um que se veja ou que se venda? Não importa o preço a pagar, só que ninguém está disposto a pagar um preço…

…a “doença” invade o meu País…

…nada mais me resta que ir visitar o meu cão que ainda está internado na enfermaria da clínica veterinária… sim, ainda há clínicas veterinárias neste País para tratar dos nossos animais…

…fui vê-lo… sorriu (sim, os cães sorriem), levantou-se lentamente e dei-lhe a minha mão a cheirar… encostou o focinho e a narina na palma da minha mão e fungou, fungou como que tentando falar… abanou o rabo e voltou a deitar-se… o tubo do soro ainda estava direito… ele não o tinha retirado como que talvez sabendo que ali residia a sua ligação a este mundo infecto onde ainda há quem ostensiva e conscientemente passe com o carro por cima de um animal e não pare; poderia ter sido uma criança a atravessar a rua; pergunto, que teria feito?

…o meu cão está, segundo dizem os Veterinários, bem e deve ter alta hoje (sim, que isto de ter alta não é só para nós)…

…a “doença” invade o meu País…

…resta-me visitar o meu cão!

21/09/2004 Posted by | Diversos | 9 comentários

boletim clínico

…a “doença” invade o nosso País; a todos os níveis; não vejo antídoto que sirva; é a educação, é a saúde, é a justiça, é as finanças públicas, é a convergência, é a direita, o centro e a esquerda, é o medo que se instala lentamente em relação a um futuro que ninguém quer crer que um dia vai ser negro para os nossos filhos e nossos netos…

…a “doença” invade o nosso País; a todos os níveis… é preciso um milagre, talvez ainda existam milagres por aí… alguém tem um que se veja ou que se venda? Não importa o preço a pagar, só que ninguém está disposto a pagar um preço…

…a “doença” invade o meu País…

…nada mais me resta que ir visitar o meu cão que ainda está internado na enfermaria da clínica veterinária… sim, ainda há clínicas veterinárias neste País para tratar dos nossos animais…

…fui vê-lo… sorriu (sim, os cães sorriem), levantou-se lentamente e dei-lhe a minha mão a cheirar… encostou o focinho e a narina na palma da minha mão e fungou, fungou como que tentando falar… abanou o rabo e voltou a deitar-se… o tubo do soro ainda estava direito… ele não o tinha retirado como que talvez sabendo que ali residia a sua ligação a este mundo infecto onde ainda há quem ostensiva e conscientemente passe com o carro por cima de um animal e não pare; poderia ter sido uma criança a atravessar a rua; pergunto, que teria feito?

…o meu cão está, segundo dizem os Veterinários, bem e deve ter alta hoje (sim, que isto de ter alta não é só para nós)…

…a “doença” invade o meu País…

…resta-me visitar o meu cão!

21/09/2004 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

boletim clínico

…a “doença” invade o nosso País; a todos os níveis; não vejo antídoto que sirva; é a educação, é a saúde, é a justiça, é as finanças públicas, é a convergência, é a direita, o centro e a esquerda, é o medo que se instala lentamente em relação a um futuro que ninguém quer crer que um dia vai ser negro para os nossos filhos e nossos netos…

…a “doença” invade o nosso País; a todos os níveis… é preciso um milagre, talvez ainda existam milagres por aí… alguém tem um que se veja ou que se venda? Não importa o preço a pagar, só que ninguém está disposto a pagar um preço…

…a “doença” invade o meu País…

…nada mais me resta que ir visitar o meu cão que ainda está internado na enfermaria da clínica veterinária… sim, ainda há clínicas veterinárias neste País para tratar dos nossos animais…

…fui vê-lo… sorriu (sim, os cães sorriem), levantou-se lentamente e dei-lhe a minha mão a cheirar… encostou o focinho e a narina na palma da minha mão e fungou, fungou como que tentando falar… abanou o rabo e voltou a deitar-se… o tubo do soro ainda estava direito… ele não o tinha retirado como que talvez sabendo que ali residia a sua ligação a este mundo infecto onde ainda há quem ostensiva e conscientemente passe com o carro por cima de um animal e não pare; poderia ter sido uma criança a atravessar a rua; pergunto, que teria feito?

…o meu cão está, segundo dizem os Veterinários, bem e deve ter alta hoje (sim, que isto de ter alta não é só para nós)…

…a “doença” invade o meu País…

…resta-me visitar o meu cão!

21/09/2004 Posted by | Diversos | | 9 comentários