Lobices

…meiguices de lobos e não só…

Tenho frio

“…tenho frio, tenho mesmo muito frio… Sinto um arrepio dentro de mim que me faz encolher a alma… dobro-me sobre mim mesmo e procuro a razão do frio que sinto… sinto-me cheio de um vazio que se instala no meu cérebro e deste passa para o meu ser… Sinto-me entorpecer e as pernas dobram-se e enregelam… O frio que sinto faz-me tremer… não vejo sol dentro de mim e a lua passou já muito ao largo e não deixou rastos… As estrelas estão longe e não me iluminam o suficiente para aquecer o meu coração… É tudo em vão… Todo o esforço que faço para me manter à superfície ainda me magoa mais porque as forças me abandonam e o corpo rejeita energias que gasto nesta viagem… E é apenas a minha imagem… Mas olho para lá e não vejo nada que me faça regressar… E desejo cada vez mais sair, fugir mesmo sem saber para onde ir… não é dilema não saber o que aí vem… sabe-se que se está a ir nessa direcção e deixamo-nos ir como folha perdida nas águas turbulentas de uma sarjeta suja de pó e vazia também de tudo… Deito-me dentro de mim e adormeço no meu sonho sem dormir… é um sonho acordado de tão cansado que nem o sono sossega e não me dá trégua… Tenho frio, tenho muito frio… Sinto um arrepio de novo e mais uma vez me encolho e olho para dentro do copo que tenho na mão… é um copo vazio como eu e também está frio… peço a alguém que o encha de novo e dizem-me que não, que já bebi demasiado… mas eu sei que não, ainda consigo entender o que me é dito e porque razão ouço este imenso grito… Saio num tropeço dum trôpego andar… Passo pelo espelho e alguém do lado de lá olha para mim e sorri… é alguém que eu já conheci, alguém que já esteve aqui comigo, dentro de mim… nunca mais o vi… por onde andará?… No entanto, foi simpático, acompanhou-me até à saída… não o vi mais… não havia mais espelhos naquela sala daquele bar… Abri a porta de par em par… Respirei o ar frio da noite ainda mais quente do que o frio que eu sentia dentro de mim… Olhei o mar que se estendia para lá daquelas escadas que desciam para ele, ele que me esperava depois do abismo… olhei-o e ele riu-se numa risada tremenda que me fez encolher e de novo ver que já nada estava ali a fazer… Preciso de dormir, mas um sono que jamais termine… preciso de dormir e afinal o carro está ainda ali… é aquele preto… tem aros prateados nos faróis mas não tem luz, estão apagados como eu… A chave está na minha mão e abrir a porta não custa.. já nada me assusta porque o frio me tira a percepção da realidade… tenho apenas uma vontade, dormir, deixar-me ir e não saber nem como nem para onde…
Tenho frio, tenho muito frio…”

30/11/2009 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Apelativos

“…Eram extremamente apelativos; estavam ali à minha disposição; em cima da mesinha de cabeceira. Era uma caixinha escura que ela usava para ter à mão os comprimidos que a faziam dormir. Nunca liguei qualquer importância ao valor daquela caixinha e, no entanto, ela continha o passaporte para uma viagem, uma sem retorno. Nunca houvera pensado nisso, excepto naquela noite; uma noite em que ela não estava ali deitada comigo (nunca mais estaria); uma noite em que acabara de chegar de mais um bar e depois de ter ingerido um bom pedaço de álcool para me aquecer a alma tão fria e tão dormente que já nem a sentia. Também, para que queria eu uma alma? Que é que ela me dá ou me faz? A caixinha preta continuava ali. Quantos comprimidos teria ela deixado desde a última vez que a encheu depois de os tirar da embalagem de marca do medicamento? A minha mão direita estendeu-se para aquela caixinha preta tão apelativa como tão consoladora pelo imaginário que já me estava a provocar. Não custaria nada e dormiria para sempre; tão bom. Era disso que eu estava a precisar ou seria de mais um pouco de gin? Mas para tomar os comprimidos eu precisava de beber alguma coisa e essa coisa estava também ali à mão; debaixo da cama, talvez também deitada no chão por cima do tapete; teria ainda algum líquido? O suficiente para engolir os comprimidos? Já não tinha forças para me levantar e ir buscar outra garrafa. A caixinha preta continuava ali e a minha mão já estava em cima dela. Senti aquela textura (penso que era marfim) sob os meus trémulos dedos mas senti-a fria e um arrepio percorreu-me a coluna; ou teria sido outro tipo de arrepio? Não sei quanto tempo estive com aquela caixinha na mão. Não sei quanto tempo demorei a tomar uma decisão. Não sei quanto tempo a olhei com um turvo olhar. Não sei porque razão não a segurei. Dei por mim a olhar para ela sem saber para que é que ela servia e naquele momento apenas me apeteceu dormir; tão perto do derradeiro sono; tão desejado; ali tão à mão… Reparei então que estava deitado sobre o lugar dela com o braço direito estendido para a mesinha de cabeceira segurando a caixinha preta que continha o passaporte para a derradeira viagem; tantas vezes assim estivemos; tantas vezes senti o seu calor, o seu respirar, o seu arfar; tantas vezes assim ficamos depois de fazermos amor. E, neste estúpido momento, repetia aquela posição estendendo a minha mão para uma viagem. Não consegui conter o choro; não consegui aguentar as lágrimas; não consegui segurar a caixinha preta. Não consegui partir. Restou-me a certeza que no dia seguinte teria mais uma noite de frio…”

29/11/2009 Posted by | Diversos | 1 Comentário

Quis ser um poeta

“…quis ser um poeta que tivesse asas… e poesia em cada voo… quis ser um poeta cujas palavras vos enchesse a casa… e que vos reencontrasse em cada dor… quis ser um poeta que fosse fogo e água e sol e terra… e que com todos esses elementos criasse um novo ser… mas há poetas que são simplesmente poetas… há poetas que ainda nem sabem que o são… há poetas… imensos… tentei um dia ser um desses poetas… e sei hoje que um poeta nunca morre… faz-se em vida mesmo na morte, soltam as asas e levam-vos o vento… protegem-vos e fazem-se ao caminho convosco… peregrinam em vós… que com ele caminhais… bebeis o sorriso dos poetas… vedes pelos seus olhos, e por detrás desses olhos, uma alma que brilha e ilumina cada recanto escuro da vossa própria alma… e é em dias de negro e frio que mais precisais dos poetas… porque eles são fonte, força e semente… um poeta nunca mente… ele, o poeta, é a vossa armadura, a vossa madrugada e o fim de tarde… a vossa lua nova ou lua cheia… são perenes todos os poetas… nascem e renascem… mesmo sem nunca morrerem… nada destrói um poeta, nem a voz nem o sentir… quis ser um desses poetas que tivesse asas e poesia em cada voo… podemos ser usados, abusados, até como lixo abandonados, enegrecidos e deturpados… simplesmente somos quem somos … podemos ser retalhados, citados e aviltados… podemos ser usados como arma de arremesso… podemos ser teorizados e complicados… podemos ser mistificados e cristalizados… podemos até servir de pasto em chamas inquisitoriais… não somos orações, nem homilias nem credos… e não nos deixamos cair… não somos ameaça do fim do mundo… não somos propriedade de ninguém… não somos espada nem guilhotina… não cabemos na pena nem no ódio de quem de nós se apropria… somos apenas poetas… somos simplesmente imensos… não cabemos em nenhuma semana nem em qualquer dia… somos de todos os tempos… não nos deixamos aprisionar por nenhuma alma negra… somos apenas asas… não somos anjos… somos apenas amor e amamos… e se agora sei, como tão bem sei, que as palavras vos podem fazem voar, que às vezes vos levam para lá do mar, em asas de vento, de dor e de amor… sei também, como sabem todos, que não há palavras nem versos, nem poesias que cheguem para transformar um poeta num anjo…”

28/11/2009 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Moldura

“… na verdade, esta moldura é a minha prisão… de tão perfeitos traços me retrataste que me sinto afogada neles como se eles fossem a minha própria alma, o cerne do amor que nos inundava enquanto a vida me era dada para viver… lembras-te, meu amor, de todas aquelas cartas que te escrevi enquanto presa dentro de outras grades, linhas estreitas que me afastavam de ti ou que te afastaram de mim… nunca soube o porquê e essa dúvida, que ainda hoje, aqui de cima mantenho, será a minha companhia na eternidade… é ela também que me concede a possibilidade de te ver aí olhando-me aqui nesta parede nua, dentro de mim mesma vazia e tão prenhe de linhas com que me vestiste naquela manhã na cozinha no banco sentada, rindo-me da tua certeza… meu amor, a paz que me preenche não retira a dor que mantive e que comigo trouxe; a paz que me preenche é uma paz por amor a ti mas a dor essa jamais sairá de mim; é um pouco como eu nestes riscos presente na tua mente quando daí em baixo me olhas… resta-me a doçura da lágrima que vejo cair da tua face nesse chão carcomido pelo tempo que não nos foi concedido… dor de mim em teu peito também ele dorido…”

27/11/2009 Posted by | Diversos | 1 Comentário

Rotunda da Boavista

26/11/2009 Posted by | Diversos | 1 Comentário

Molhando os pés

25/11/2009 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

O meu mar esta manhã

24/11/2009 Posted by | Diversos | 2 comentários

Cais de Gaia

23/11/2009 Posted by | Diversos | 1 Comentário

Do meu quintal

22/11/2009 Posted by | Diversos | 1 Comentário

Sábado azul

21/11/2009 Posted by | Diversos | 2 comentários

Sol

20/11/2009 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

>LOBICES 3

>
NASCEU o “LOBICES 4” *****AQUI*****

20/11/2009 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

>6 anos

>…o lobices nasceu nos blogues do sapo em 19 de Novembro de 2003
…faz hoje, 6 anos!…
…6 anos de letras, palavras, emoções e imagens
…6 anos de interacção com os demais Bloguers, Amigos e Anónimos
…6 anos de palavras escritas saídas destes dedos dedilhando no teclado
…entendi então, dar-lhe uma prenda:
…resolvi criar e oferecer-lhe o Lobices 4
…o lobices 4 que encerra toda a actividade desde o início e que irá dar continuidade ao mesmo, dentro dos mesmos termos e natureza
…estarei aqui por vós, para vós, por Amizade e doacção
…o meu abraço fraterno
…e lobices para todos
…bem-hajam

ver em:
http://lobices-4.blogspot.com/

19/11/2009 Posted by | Diversos | 5 comentários

6 anos

…o lobices nasceu nos blogues do sapo em 19 de Novembro de 2003
…faz hoje, 6 anos!…
…6 anos de letras, palavras, emoções e imagens
…6 anos de interacção com os demais Bloguers, Amigos e Anónimos
…6 anos de palavras escritas saídas destes dedos dedilhando no teclado
…entendi então, dar-lhe uma prenda:
…resolvi criar e oferecer-lhe o Lobices 4
…o lobices 4 que encerra toda a actividade desde o início e que irá dar continuidade ao mesmo, dentro dos mesmos termos e natureza
…estarei aqui por vós, para vós, por Amizade e doacção
…o meu abraço fraterno
…e lobices para todos
…bem-hajam

19/11/2009 Posted by | Diversos | 1 Comentário

>Velejando

>

18/11/2009 Posted by | Diversos | 3 comentários

Velejando

18/11/2009 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

>Iluminar

>

17/11/2009 Posted by | Diversos | 4 comentários

Iluminar

17/11/2009 Posted by | Diversos | 3 comentários

>Alameda em Serralves

>

16/11/2009 Posted by | Diversos | 2 comentários

Alameda em Serralves

16/11/2009 Posted by | Diversos | 2 comentários

>Domingo de chuva

>…hoje não existem fotografias para postar… não é que não as tenha… tenho-as… mas não me apetece… apenas aqui deixar umas breves palavras… dizer apenas que hoje é Domingo, cinzento, triste, frio, chuvoso… o vento sopra forte e não sei se do sul ou se do norte… bate nas persianas da casa em que habito e não choro apesar de existir um grito… o grito dentro de mim que não sai… a lágrima que não cai… e a dor que não se esvai… apenas subsiste, persiste neste Domingo de colorido tão triste… não existem fotografias para postar hoje… apenas porque não quero… só porque não sei o que quero… e o vento sopra forte e é o único som que ecoa no meu coração… é mais um dia a passar… começa assim, cinzento, logo pela manhã… olho estas teclas e não sei que fazer… fechar o post, talvez… carregar na tecla que manda publicar… hoje é Domingo, triste, chuvoso, cinzento, enevoado para dele se gostar… e eu não gosto dos dias assim, mas há-os, existem e estão dentro de mim…

15/11/2009 Posted by | Diversos | 8 comentários

Domingo de chuva

…hoje não existem fotografias para postar… não é que não as tenha… tenho-as… mas não me apetece… apenas aqui deixar umas breves palavras… dizer apenas que hoje é Domingo, cinzento, triste, frio, chuvoso… o vento sopra forte e não sei se do sul ou se do norte… bate nas persianas da casa em que habito e não choro apesar de existir um grito… o grito dentro de mim que não sai… a lágrima que não cai… e a dor que não se esvai… apenas subsiste, persiste neste Domingo de colorido tão triste… não existem fotografias para postar hoje… apenas porque não quero… só porque não sei o que quero… e o vento sopra forte e é o único som que ecoa no meu coração… é mais um dia a passar… começa assim, cinzento, logo pela manhã… olho estas teclas e não sei que fazer… fechar o post, talvez… carregar na tecla que manda publicar… hoje é Domingo, triste, chuvoso, cinzento, enevoado para dele se gostar… e eu não gosto dos dias assim, mas há-os, existem e estão dentro de mim…

15/11/2009 Posted by | Diversos | 7 comentários

>Ceia de Natal à vista

>

14/11/2009 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Ceia de Natal à vista

14/11/2009 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

>Sexta-feira, 13

>

13/11/2009 Posted by | Diversos | 1 Comentário

Sexta-feira, 13

13/11/2009 Posted by | Diversos | 1 Comentário

>Ventre

>

12/11/2009 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Ventre

12/11/2009 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

>S. Martinho

>…mais um dia 11 de Novembro… mais um Dia de S. Martinho no qual se comem castanhas e se bebe o vinho… mais um dia apenas… mais um dia…
…hoje não coloco imagem
…coloco apenas estas singelas palavras
…leves e sem grande alcance literário
…soltas
…libertas
…do jugo do hábito da fotografia
…hoje é apenas mais um dia…

11/11/2009 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

S. Martinho

…mais um dia 11 de Novembro… mais um Dia de S. Martinho no qual se comem castanhas e se bebe o vinho… mais um dia apenas… mais um dia…
…hoje não coloco imagem
…coloco apenas estas singelas palavras
…leves e sem grande alcance literário
…soltas
…libertas
…do jugo do hábito da fotografia
…hoje é apenas mais um dia…

11/11/2009 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

>A rosa de hoje

>

10/11/2009 Posted by | Diversos | 3 comentários

A rosa de hoje

10/11/2009 Posted by | Diversos | 3 comentários

>Neon

>

09/11/2009 Posted by | Diversos | 2 comentários

Neon

09/11/2009 Posted by | Diversos | 2 comentários

>O inverno na minha terrinha

>

08/11/2009 Posted by | Diversos | 4 comentários

O inverno na minha terrinha

08/11/2009 Posted by | Diversos | 4 comentários

>Onda

>

07/11/2009 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Onda

07/11/2009 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

>Aurora Boreal

>

06/11/2009 Posted by | Diversos | 1 Comentário

Aurora Boreal

06/11/2009 Posted by | Diversos | 1 Comentário

>Macro

>

05/11/2009 Posted by | Diversos | 3 comentários

Macro

05/11/2009 Posted by | Diversos | 3 comentários

>Estremoz

>

04/11/2009 Posted by | Diversos | 2 comentários

Estremoz

04/11/2009 Posted by | Diversos | 2 comentários

>Conduzir à chuva

>

03/11/2009 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Conduzir à chuva

03/11/2009 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

>Beleza em tons de rosa

>

02/11/2009 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Beleza em tons de rosa

02/11/2009 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

>Minha praia

>

01/11/2009 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Minha praia

01/11/2009 Posted by | Diversos | Deixe um comentário