Lobices

…meiguices de lobos e não só…

A serenidade da minha praia

Anúncios

15/02/2010 Posted by | Diversos | 3 comentários

Dia dos namorados

14/02/2010 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Usar o instinto

“…há sempre algo que nos impede de fazer o que achamos que não devemos fazer… como que, dentro de nós, houvesse uma espécie de censura que velasse pelas nossas acções… o que podemos e o que não podemos fazer é algo que, primeiro, vai à loja da censura e só depois segue para fabrico… a forma final do produto é que poderá ser diversa daquela que foi projectada… onde nos leva tal atitude?… que castração nos provoca semelhante sujeição?… porque não fazemos apenas o que nos apetece fazer?… o que é isso de consciência?… é uma espécie de balança com uma série de pratos onde são pesados todos os prós e os contras daquela acção planeada… porém, porque razão agimos de imediato, sem pensar, em momentos de crise duma forma a que chamamos de instinto?… ou será que mesmo antes de agir instintivamente, a loja da censura funciona mesmo sem darmos por isso?… será que há, na mesma, um pesar na balança?… saltamos de imediato para o lado para evitarmos ser atropelados por uma carro mesmo sem vermos que podemos cair na valeta cheia de água suja da sarjeta… fugimos rápidos, em caso de incêndio por exemplo, da varanda para a rua sem olharmos à altura que nos separa dela e sem pensarmos que podemos partir uma perna… porém, no dia a dia das nossas acções habituais de vida em que o instinto não é preciso, as nossas atitudes são “pesadas” antes de as tomarmos, como se de uma poção mágica se tratasse e fosse preciso tomar a medida exacta… então, hesitamos antes de agir e somente depois actuamos… as nossas escolhas devidamente pensadas tanto podem dar para o certo como para o torto… não há maneira de sabermos se aquela decisão, ainda que devidamente gerida e equacionada, vai resultar em pleno… mais tarde é que saberemos o resultado… na verdade e a experiência mostra-nos isso, quando usamos o instinto, verificamos o resultado da acção então utilizada, de imediato, quer seja bom ou mau… também, de imediato, ficamos felizes ou infelizes com a opção tomada… já quando apenas a tomamos depois de devidamente ponderada a questão, somente muito depois veremos o resultado… e até podemos viver angustiados aguardando o desfecho… será que fiz bem, será que fiz mal?… e agora?… bem, só tenho que aguardar e esta espera, esta expectativa provoca angústia, provoca danos, provoca dor… que faço?… escrevo um texto sobre que tema?… bem, vamos lá ver… penso, repenso e nunca mais me surge a inspiração para desenhar algumas letras sobre um tema que nunca mais se faz luz em mim… então, de imediato, começo a teclar instintivamente… saiu o que acabaram de ler… ao mesmo tempo que escrevia ia vendo o resultado de imediato daquilo que surgia no monitor… não houve angústia… não houve dor… utilizem o instinto o mais que puderem… vão ver que, geralmente, dá certo… também o pior que poderá acontecer é terem de perder tempo a ponderar a questão… mas será que ponderar é assim tão mau?… não sei, a decisão é sempre individual… façam o que vos aprouver… façam o que vos der na real gana… sejam felizes nem que para isso seja preciso chorar um pouco… às vezes é o medo de chorar que nos impede de avançar… porém, quase sempre vale a pena… é que umas quantas lágrimas ajudam a clarificar a situação e o panorama, após o choro, é quase sempre um pouco mais claro!…”

13/02/2010 Posted by | Diversos | 1 Comentário

A folha verde

12/02/2010 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Amar como o vento

“…Em cada relação que começa, a vida e o amor renascem. A paixão coloca cada pessoa num ponto alto e excepcional, inevitável e imperdível. Gostosamente. Mas as pessoas no seu melhor vêm depois, às vezes muito depois, quando se chora e luta, quando se aceita e se resiste, quando se constrói e quando se acredita. As verdadeiras relações, os grandes amores são sempre virtuais. Não por serem irreais, antes por serem imateriais, apesar de nos darem a ilusão de um corpo, de um suporte material que tocamos e possuímos, que acreditamos nosso, real, físico, material. Sentimos amor, quase conseguimos tocar, agarrar essa sensação. Dizemos convictos que é real. Olhamos o outro nos olhos e parece real, parece que o outro ali está e nos ama mais que nós… Mas ver, sentir, tocar, são formas de aceder ao amor, ascensores, facilitadores. Difícil mesmo é planar. As relações são feitas de ar, planar. É no vento que se ama. Talvez ser o próprio vento, e não a folha. Vê-se melhor o que é amar quando é difícil amar, aceitar que é sempre mais do que improvavelmente, um esforço, um desejo, um empenho pessoal em algo que materialmente não existe, não é palpável nem mesmo se sente. Nunca se ama realmente, a realidade do amor é nunca ser real. Virtual. No dia a dia, corpo a corpo, sonha-se o amor, sonha-se um amor virtual, que se não for virtual não é amor. Virtual porque não depende da presença do outro, da aparência do outro, do comportamento do outro. Um amar que perdura e se sustenta (Vento) mesmo quando não vemos o outro. Amar é memória, antecipação e crença profunda em memórias que hão-de vir. Virar a cara a quem nos vira a cara, sabemos todos que é real, bem concrecto, mas não é amar. Ama-se mesmo quem não nos ama e nos quer deixar. É na paciência, na persistência que se mede o amor. Amar é escolher amar. Depende de quem ama e não de quem é amado. Depende do esforço e disponibilidade de quem ama. Ninguém merece ser amado, porque ninguém pode deixar de merecer ser amado. Não depende do mérito, não depende do comportamento, não se vê nem se comprova. Posso ter que silenciar, posso ter de partir… vai comigo o amor…”

11/02/2010 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Folha

10/02/2010 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Resto

“…deixa-me dizer-te o que me vai na Alma… deixa-me contar-te o que sinto dentro de mim e mesmo fora de quem sou… dir-te-ia quem sou e o que não sou… mas não consigo mesmo que tente dizer-te o que este meu ser sente… é uma espécie de ausência de mim mesmo, uma dormência velada que foge de mim em loucura forjada… quero entender quem fui, quem sou e apenas e somente consigo querer dizer, porque contar, não vou poder… deixa-me, no entanto, dizer-te quem não sou, dizer-te o que não consigo ser e para isso já tenho forças dentro de mim para te contar o meu não e o meu sim… contar que não sou quem gostaria de ser porque o que quer que eu pudesse ser não seria, por certo, aquilo que vive no meu coração… dizer-te o que me vai na Alma seria fácil talvez se, com calma, pudesse entender a sua própria forma… mas, nestes casos, não existe qualquer norma que possa delinear um simples esgar que seja que possa gritar o que ela deseja… mas sei que ela não é o que ela gostaria de ser porque o que quer que ela pudesse ser não seria, decerto, o que mora em algo que nunca fenece… poderia, pois, dizer-te mil coisas que nenhuma seria a verdadeira… poderia pois esconder-te mil coisas que nenhuma delas estaria oculta porque me sinto aberto… deixa-me dizer-te, porém, que tudo o que vires em mim mais não será do que a imagem de alguém que não consegue ficar aqui, alguém que quer sempre ir mais além… uma meta que persigo a todo o momento, sem medo nem ressentimento… uma ida em frente na busca do exacto momento em que, sereno, coeso e firme sinta que sou o que do amor pleno em mim restou… ”

09/02/2010 Posted by | Diversos | 2 comentários

O meu velhinho Porto visto de Gaia

08/02/2010 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

5 da tarde do dia 5 na minha praia

07/02/2010 Posted by | Diversos | 1 Comentário

Provar

“… não existe forma de se provar ao ser que amamos que o amamos… não há sinais, nem falas, nem gestos, nem toques, nem palavras… não existe nada que possa significar ou ter o sentido de dizer e provar ao ser que amamos que o amamos… se não existe então forma de o fazermos, como podemos provar ao ser objecto do nosso amor que o amamos?… não podemos provar!… e não podemos provar porque não existe forma de o fazer, logo só o conseguimos amar se na verdade o amarmos… e é amando-o nas mais pequeninas coisas que, sem provar, lhe vamos dizendo que o estamos a amar… é preciso que o ser que é amado sinta que é amado e essa é a única forma desse ser ter a certeza que é amado… quem ama não pode provar que ama mas quem é amado sabe sentir que o é… logo, a forma de provarmos que amamos o ser que amamos é este ser sentir que é amado… e só este ser que é amado saberá entender a verdade do nosso amor… e então, aí sim, ele saberá que é amado nas mais pequeninas coisas que fizermos, que dissermos, quando tocamos, quando gesticulamos, quando lhe enviamos um sinal, um olhar, uma forma do nosso próprio estar que nos é peculiar e único quando estamos a amar esse ser… o ser amado saberá que o é mesmo que quem o ama não o consiga provar, nem metafórica nem fisicamente… amamos com o nosso sentir, com o nosso coração, com o nosso corpo e com a nossa Alma, mas todos estes elementos são refutáveis, logo só o outro, quem é amado, saberá distinguir do nosso sentir, do nosso coração, do nosso corpo, da nossa Alma, os elementos comprovativos do amor que por ele nutrimos… como sempre disse, amar é dar, logo só quem recebe é que sentirá essa dádiva… é pois, dando-me-te por completo, que te amo… é pois, recebendo-me por completo que sentirás o meu amor…”

06/02/2010 Posted by | Diversos | 2 comentários

Batem leve, levemente


(dentro do carro, olhando o mar e vendo a chuva a cair)

05/02/2010 Posted by | Diversos | 1 Comentário

Quadratura do círculo

03/02/2010 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Perdurar

“… e o amor não se esgota nos momentos em que os amantes se encontram… o amor perdura para além deles, dos momentos e dos próprios amantes… o amor fica em cada um como uma marca no tempo que vai para lá do tempo em que foi… o amor vai com cada um e reaje ao menor sinal de memória… reactiva-se a si próprio quando já lá não está, naquele momento em que se ama… eleva-se para além da sua meta e tenta chegar ao momento seguinte, momento esse que não se sabe se vai existir mas que se deseja e do qual se sabe apenas que será um novo momento… o amor não se esgota no momento em que os corpos se esgotam e descansam… o amor vai além desse esvair porque se não for nunca será amor… o amor não se esgota no peito de cada um porque continua na memória de ambos… o amor é isso, é saber que não foi só e apenas aquele momento… o amor prolonga-se a si próprio para além de si mesmo e daqueles que o vivem… o amor está para lá do próprio amor…”

02/02/2010 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Rosa de Inverno

01/02/2010 Posted by | Diversos | 1 Comentário