Lobices

…meiguices de lobos e não só…

Seduzir

“…talvez seja essa tua força, invisível aos olhos humanos, que me seduz… talvez sejam apenas os teus olhos ou até mesmo, como já o tenho dito muitas vezes, a tua boca… talvez seja essa tua fragilidade ou essa tua doçura… talvez a tua ingenuidade ou até mesmo a tua garra… talvez a tua voz ou mesmo até o teu silêncio… talvez o teu tudo ou o teu nada… talvez seja essa tua pose de fazer face à luta ou a tua lágrima sentida… talvez a tua revolta ou até mesmo a tua cedência… talvez apenas o teu toque, o teu cheiro ou o teu beijo… talvez apenas o seres apenas tu e eu ser apenas eu… mas que me seduzes de verdade, não o posso negar…”

30/07/2011 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

O voo picado do Falcão

28/07/2011 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Movimento

… terminaram as palavras… as letras deixaram de existir… as frases já não podem ser formuladas e a comunicação escrita ou falada findou… o Homem deixou de poder dizer um simples vocábulo e nem um só ditongo se consegue escrever ou articular… mas a sua necessidade de gritar leva-o a inventar novas formas de comunicar… passa a usar o seu corpo para insinuar as sílabas e começar a juntar os elementos que formam a ideia, a imagem ou apenas o sentido… o seu corpo passa a ser a caneta ou a corda vocal… e as mãos tocam ali, acolá ou aqui… movem-se no espaço e sentem que do outro lado existem outras mãos que fazem o mesmo… e todos começam a gesticular… e do gesto, passam ao encontro, ao toque mútuo, ao abraço, ao enlace, à carícia, ao beijo, à ternura, a todo o género de acto que defina um desejo de comunicar, de dizer: estou aqui, estás aí, podemos falar?… então trocam-se os toques e todos se movem no mesmo sentido… no Mundo existe o silêncio mas passou a existir o abraço… algo que o Homem já havia esquecido há muito… e apesar de o riso não ser articulado, existe o sorriso… e apesar do grito se ter silenciado a lágrima pode escorrer pela face e dessa forma se diz o que se passa, o que se sente, o que se deseja, o que se vê e o que se quer que seja entendido… o Homem calou a voz mas não consegue deixar de comunicar… e o seu corpo passa a ser o elemento base dessa acção… e, dessa forma, mesmo não podendo dizer que se ama, pode-se dizer o mesmo num sorriso, num beijo, num toque, num abraço, num desejo… e o Amor, por mais que o Homem possa perder as suas faculdades, jamais morrerá… e Amar, continuará a ser o único caminho!…”

25/07/2011 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Sombra

24/07/2011 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Pólen

21/07/2011 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Silêncio

“…Há um silêncio absoluto aqui até mesmo dentro de mim… Estou só, acompanhado apenas da minha solidão… por isso, não estou sozinho… estou acompanhado, logo não estou só… Estranho… O silêncio penetra dentro de mim sem pedir licença… também não sou capaz de lhe impedir a entrada… ele é tão livre quanto eu e eu, possuidor dessa liberdade, deixo-o entrar e sinto que a excitação que ele me provoca é sinal de prazer… Um prazer proveniente da paz que ele, o silêncio, alberga… Com ele, vem apenas o som da deslocação do ar quando ele chega sem avisar… É que, de repente, só (estando só) o sinto quando ouço o silêncio da sua chegada… Senta-se aqui ao meu lado e vejo perfeitamente que ele me olha de soslaio… mas não lhe ligo importância… quem se julga ele?… Alguém de muito especial?… Devo-lhe alguma deferência?… Não… Não lhe franqueio sempre a entrada?… Então, que mais ele quer?… Que lhe dirija a palavra?… Não!… Mil vezes não!… Se o deixo penetrar-me é porque assim o desejo e o quero, em silêncio, em paz, ouvindo-o sem o ouvir… sabendo apenas que ele está aqui… A solidão, por seu lado, essa não se importa muito pela presença dele… já está habituada… Olha-o com desdém como se ele, o calado silêncio, fosse ninguém… Sabe muito bem que ele não me faz mossa… sabe perfeitamente que ela, a solidão, é que é a minha amante preferida, hoje cinzenta (pode ser) mas amanhã, quem sabe, se colorida… É apenas a paz que me traz sereno e me faz sentir o seu frio ameno… é que o silêncio tem temperatura, ora é doce e quente, ora azedo e frio… mas já reparei imensas vezes que quando é azedo se sente um frio ameno… não enregela nem me estremece o corpo… amorna-me a alma e deixo-me ficar na mordomia da sua presença… É tudo apenas um estado de solidão a sós com o silêncio que me faz companhia… Por isso, não esfria… Deixa-me estar como quero… E ele se queda também e fica… Não incomoda… Sabe que a qualquer momento que eu queira, o mando embora… sabe que um grito forte pode, num ápice, cortar o ar que ele deslocou ao chegar… Ele sabe isso e por isso não se preocupa comigo… Mantém apenas um vago olhar… Como quem não sabe se parta ou se deve ficar… Depende apenas e só do meu grito… se este, o grito, do meu peito sair com força, com ânimo, com desejo de ser quem sou e não quem quero parecer ser… O problema com que me debato é saber o que sou ou mesmo até quem sou… Serei eu próprio o silêncio?…”

19/07/2011 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Por amor

«Um até já, meu amor, que por amor se corre e por amor se não percorre… um até já, meu amor, pelas correrias que correste e pelas paragens à minha espera… um até já, meu amor, pelo amor caminhado, pelo amor parado como os dias que correm á nossa frente e nos arrastam irremediavelmente para essa morte… a morte do amor que de amor morreu no dia em que em vez de um até já, me disseste adeus…»

18/07/2011 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Conjunto

16/07/2011 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Desconhecida

11/07/2011 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Praia lavadinha

10/07/2011 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Beleza

08/07/2011 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Da cor do blogue

06/07/2011 Posted by | Diversos | Deixe um comentário

Mais suave

02/07/2011 Posted by | Diversos | Deixe um comentário