Lobices

…meiguices de lobos e não só…

Sinfonia em sol maior

25/03/2009 Posted by | Diversos | | 2 comentários

Dia do Pai

“…já faz mais de 22 anos que partiste… Estás noutro local, um local para onde foste, um local de sossego, de paz, não é ?… Tenho saudades tuas, pai !… Lembras-te do dia em que nos disseste até breve ?… Lembras-te dos dias em que sempre estiveste a nosso lado, lembras-te de tudo de bom que se passou antes de ires, lembras-te de tudo de mau que se passou antes de ires ?… Recordas o dia em que eu nasci, recordas o dia em que passaste ao estatuto de pai ?… Sei perfeitamente que te recordas e que só por isso te valeu a pena viver; sei que viveste em função dos teus, daqueles que faziam parte da tua própria vida, daqueles que eram a razão da tua existência!… Sei muito bem o quanto sofreste por mim e por todos os teus; sei perfeitamente o quanto lutaste para que nada me faltasse, para que tudo estivesse sempre bem… Lembras-te do dia em que te faltou algo para que eu não sentisse essa falta ?… Lembras-te do dia em que não comeste para que eu tivesse comida ?… Lembras-te do dia em que poupaste nos cigarritos para que eu tivesse dinheiro para o meu tabaco ?… Lembras-te do dia em que tiveste de pedir a um amigo para teres dinheiro para mim ?… Lembras-te do dia, de todos os dias da tua vida em que passaste mal para que em todos os dias da minha vida eu passasse bem ?… Lembras-te ?… Sei que te lembras e sei que sabes que tenho saudades tuas… um beijo para ti, pai!…”

19/03/2009 Posted by | Diversos | | 6 comentários

Explosão

15/03/2009 Posted by | Diversos | | 1 Comentário

Passeando no areal

13/03/2009 Posted by | Diversos | | 2 comentários

Matrix

07/03/2009 Posted by | Diversos | | 2 comentários

Sinfonia de ternura

05/03/2009 Posted by | Diversos | | 4 comentários

Reflexos laminados

03/03/2009 Posted by | Diversos | | 3 comentários

Coração

02/03/2009 Posted by | Diversos | | 3 comentários

O último movimento

“… terminaram as palavras… as letras deixaram de existir… as frases já não podem ser formuladas e a comunicação escrita ou falada findou… o Homem deixou de poder dizer um simples vocábulo e nem um só ditongo se consegue escrever ou articular… mas a sua necessidade de gritar leva-o a inventar novas formas de comunicar… passa a usar o seu corpo para insinuar as sílabas e começar a juntar os elementos que formam a ideia, a imagem ou apenas o sentido… o seu corpo passa a ser a caneta ou a corda vocal… e as mãos tocam ali, acolá ou aqui… movem-se no espaço e sentem que do outro lado existem outras mãos que fazem o mesmo… e todos começam a gesticular… e do gesto, passam ao encontro, ao toque mútuo, ao abraço, ao enlace, à carícia, ao beijo, à ternura, a todo o género de acto que defina um desejo de comunicar, de dizer: estou aqui, estás aí, podemos falar?… então trocam-se os toques e todos se movem no mesmo sentido… no Mundo existe o silêncio mas passou a existir o abraço… algo que o Homem já havia esquecido há muito… e apesar de o riso não ser articulado, existe o sorriso… e apesar do grito se ter silenciado a lágrima pode escorrer pela face e dessa forma se diz o que se passa, o que se sente, o que se deseja, o que se vê e o que se quer que seja entendido… o Homem calou a voz mas não consegue deixar de comunicar… e o seu corpo passa a ser o elemento base dessa acção… e, dessa forma, mesmo não podendo dizer que se ama, pode-se dizer o mesmo num sorriso, num beijo, num toque, num abraço, num desejo… e o Amor, por mais que o Homem possa perder as suas faculdades, jamais morrerá… e Amar, continuará a ser o único caminho!…”

28/02/2009 Posted by | Diversos | | 4 comentários

Reflexos

26/02/2009 Posted by | Diversos | | 2 comentários

Uma miríade de cores em flores

11/02/2009 Posted by | Diversos | | 5 comentários

Um doce reflexo

07/02/2009 Posted by | Diversos | | 5 comentários

Desenho

“…desenhei meu corpo nas águas profundas do rio que em mim corre e nele me percorri em tons de azul, cor do céu que nunca morre… desenhei minha alma nas ondas do poderoso mar que fora de mim se move e nele a desenhei em tons de branco nobre, leves, mas sóbrios… desenhei meu corpo na minha alma e a mistura se fundiu em tons vermelhos de sangue puro… e minha alma, pária de si própria, desenhou no meu corpo a felicidade de se saber comigo e não mais solitária… desenhei, por fim, no mais profundo de mim, um campo de flores, pleno de todas as cores, exalando todos os perfumes, completamente preenchidas com todas as vossas dores…”

04/02/2009 Posted by | Diversos | | 4 comentários

Como consegui este ângulo?

03/02/2009 Posted by | Diversos | | 2 comentários

Informação

…este “novo” blog inclui, atrvés do Sistema de Exportação e Importação de Blogs, todos os posts que existiam no meu outro blogue “lobices-3″…
…assim, este passou a ser o único dedicado à minha continuidade de “Bloguista” desde 19-11-2003 com o “lobices”, depois com o “lobices-2” e agora com o “lobices – 3 – Fotografia”…

01/02/2009 Posted by | Diversos | | Deixe um comentário

Vidraça

28/01/2009 Posted by | Diversos | | Deixe um comentário

O velhinho autocarro

27/01/2009 Posted by | Diversos | | Deixe um comentário

Uma brincadeira com euros

25/01/2009 Posted by | Diversos | | 1 Comentário

Leme

24/01/2009 Posted by | Diversos | | 2 comentários

Tonalidades ao entardecer

21/01/2009 Posted by | Diversos | | 4 comentários

Luzinhas

20/01/2009 Posted by | Diversos | | 1 Comentário

Um lugar de relax

20/01/2009 Posted by | Diversos | | 2 comentários

Tsunami

15/01/2009 Posted by | Diversos | | Deixe um comentário

O uivo

Levantou-se com um sobressalto, que a fez erguer a coluna num impulso sôfrego, um nó de desespero atado na garganta. Segurou-a com uma das mãos, como se contivesse a respiração ainda ofegante. A escuridão estava toda emersa numa tonalidade azul, criando uma atmosfera quase irreal no interior do quarto. Uma estranha luminosidade vinha do exterior, e penetrava no quarto pelo espaço entre as velhas cortinas desbotadas. Dirigiu-se à janela como se algo a chamasse. Espreitou por trás do veludo envelhecido do reposteiro e viu um vidro quebrado, estilhaçado no canto inferior esquerdo. Formava um desenho perfeito de uma teia. Tocou-lhe e automaticamente levou o dedo à boca, sugando o sangue do corte que acabara de sofrer. Soltou um breve gemido de dor, frustrado de fúria. Lá fora, a lua erguia-se gigantesca, majestosa, rodeada de uma aura azul intensa, que cobria todas as coisas de improváveis reflexos. Sentiu um incómodo arrepio, como uma fria corrente enferrujada a mover-se no interior da espinha. O espaço à sua volta, de súbito, ganhava novos contornos. Estremeceu perante um breve desacerto do mundo. Julgou ouvir ruídos, um estalar de madeira, ecos de passos atrás de si, o som das sombras a mover-se pelas paredes do quarto. Voltou-se e tremeu. Deu dois passos incertos, esquecida do próprio corpo. O chão estava alagado; os pés descalços enregelados. Ouvia uma torneira aberta, que pingava lentamente. O som adensava-se segundo a segundo, ecoava pela casa toda, cada vez mais próximo, cada vez mais grave, cada vez mais alto, com requintes de tortura. Segurou a cabeça entre as mãos, crispando os dedos entre os cabelos, tapando os ouvidos quase até ao limiar da dor. Enlouquecia. Abriu as portadas e saiu. Correu para a floresta que se estendia, negra e silenciosa, a sul da casa. Não se vestiu. A camisa branca de algodão finíssimo esvoaçava enquanto corria. Um som distante, longínquo, como um uivo, envolvia agora todo o espaço entre as árvores. Tudo à sua volta permanecia assombrosamente azul. Olhava para o céu e os seus olhos cintilavam, fazendo perguntas às estrelas ausentes. Correu a um ritmo alucinante, rasgando a noite escura com a sua deslumbrante figura pálida. Se pudéssemos congelar o momento, encontrar-se-ia a mais bela fotografia do mundo. Era atrás do lobo que corria. Um lobo que conhecia sem nunca ter visto, que a chamava sem nunca ter tocado um fio dos seus cabelos. Sonhara com ele durante seis noites seguidas, um segundo mais cada noite, até que o sonho a puxou para dentro e ela foi ao seu encontro. Correu atrás dele, movida pelo sonho, dominada pela loucura. Corria como se perseguisse a própria vida, e gritava. Gritava o nome do seu amor, como se lhe respondesse. Correu até ficar sem forças, lentamente vergou os joelhos e deixou-se cair no chão húmido. Tinha chovido nas horas anteriores, muito certamente. Cravou as mãos na terra até que esta lhe doesse, negra e perfumada, entre as unhas. Sentiu um frio muito fino percorrer-lhe a parte de trás do pescoço, desde a nuca, descendo até à cintura. Depois um calor imenso a escorrer-lhe pelos braços. Tinha o lobo junto do seu corpo, o seu olhar ferido de medo. Aproximou-se do seu rosto, conseguia sentir-lhe a respiração na face gelada. Mergulhou os dedos finos no pêlo em redor do pescoço, num gesto ambíguo. Como se segurasse, como se repudiasse. Sentia-o roubar-lhe o sopro de vida, ao mesmo tempo que a alimentava de uma inexcedível sensação de eternidade. A escuridão era tão intensa que a noite parecia estender-se sobre todas as coisas, sem limites, insondáveis as suas profundezas. Reinava uma calma inquietante. O seu coração pulsava acelerado dentro do peito, o olhar num fervilhar insustentável de paixão. Olhou à volta, demorando um segundo a reconhecer o espaço do quarto. Um segundo depois, o outro lado do pesadelo: Está um homem ao seu lado. Está frio. O branco dos lençóis tingido de vermelho. Do corpo imóvel e pálido escapa-se um fio rubro e espesso. O olhar preso no infinito. Um último gesto de angústia suspenso na mão. A boca entreaberta, fixo nos lábios um suspiro, com o nome do seu amor.

(prefácio do meu livro “Lobices”)

14/01/2009 Posted by | Diversos | | 1 Comentário

Coroação dos deuses

13/01/2009 Posted by | Diversos | | 5 comentários

O predador silencioso

05/01/2009 Posted by | Diversos | | 2 comentários

Sunset através do meu olhar

04/01/2009 Posted by | Diversos | | Deixe um comentário

O crocodilo ao sol

03/01/2009 Posted by | Diversos | | 2 comentários

Fractais

27/12/2008 Posted by | Diversos | | 1 Comentário

mandala

20/12/2008 Posted by | Diversos | | Deixe um comentário

brincando com as formas

19/12/2008 Posted by | Diversos | | 2 comentários

banalidades

“… como se costuma dizer, durmo como uma pedra… seja a que horas for que me deite, durma as horas que durma, o sono é sempre profundo e (adoro) recheado de sonhos… quanto mais pesados eles forem (os sonhos, tipo pesadelos) mais liberto me sinto quando acordo… por vezes, quando esporadicamente acordo a meio da noite para aliviar a bexiga, retomo o sono de imediato e, muitas vezes o mesmo sonho… tenho imensos sonhos recorrentes, como por exemplo, sonho imenso com pessoas já falecidas nomeadamente o meu pai (tantas vezes presente nos meus sonhos que até julgo que ele está ali mesmo a dar-me instruções para o dia seguinte)… em resumo, gosto imenso de sonhar e nunca acordo cansado como ouço muitas pessoas dizerem que foi uma noite terrível, vira para ali vira para aqui e que sonhos horríveis, etc… não, adoro sonhar e sinto-me bem… acordo, invariavelmente, à mesma hora e levanto-me, quase sempre, também à mesma hora… hoje acordei, como de costume mas senti uma leve pressão na testa… como tenho o medidor da tensão arterial sempre à mão (desde que tive o avc que mantenho um cuidado com a mesma), medi e o aparelho debitou um valor de 178 – 119 com 101 pulsações, ou seja, mais simples: 18/12… um valor destes logo de manhã assustou-me e imaginei que o aparelho estivesse avariado… a meio da manhã pedi um outro aparelho a um vizinho e o valor estava basicamente na mesma: 17/11… decidi e fui até à praia apanhar o ar frio que vinha do norte… almocei e, como de costume, fui fazer a minha sestinha… quando acordei, medi de novo e os valores mantinham níveis elevados: 16/10… levantei-me e rumei ao Posto Médico… cheguei e, por milagre, fui logo atendido no balcão para a inscrição… na sala de espera apenas uma doente à minha frente… não esperei muito e de imediato me encontrei sentado frente a uma médica… exposto o problema e o historial clínico, a mesma entendeu que eu não estava bem com 16/11 ali tiradas por ela e que, portanto, precisava de medicação urgente para a regulação do problema… lá me deu a receita e uma guia de vigilância durante 6 semanas… de regresso a casa, aviei o dito cujo e pronto, aqui estou a escrever o texto que não sabia que iria escrecer mas que serve muito bem para ilustrar apenas um pouco do que foi o meu dia de hoje… a conclusão a tirar é que foi um dia tão simples, tão banal mas só eu sei a razão deste meu mal… (eu e algumas pessoas mais chegadas, claro…)… como vêem, um relato barato para um fim de mês de Março em que tanto durmo como faço…”

31/03/2008 Posted by | Diversos | | 3 comentários

o meu derradeiro cigarro

“… tudo aconteceu num ápice, num momento normal da vida… era cerca do meio dia e meia hora do dia 18 de Abril do ano de 1988 e encontrava-me de pé encostado ao balcão do café do Luís a comer uma tosta mista e a beber uma cerveja… de repente, a minha vista esquerda deixou de ver… tapei o olho direito com a mão e apenas via um cinzento prateado e uma mancha escura para o lado esquerdo… calmamente, continuei a comer, comi mais um bolito e bebi o meu café… saí normalmente, segui para o meu escritório e fui lavar a cara e deitar água para a vista… mas nada aconteceu, tudo se manteve na mesma… a pé, dirigi-me para a Clínica Santo António, ali perto, entrei, segui até ao balcão e com uma calma tremenda disse à funcionária: – Desculpe, estou a perder a visão, estou a sentir-me mal e a entrar em pânico… por favor, vá transmitir isto ao Médico (por acaso, havia Oftalmologia e havia um em serviço àquela hora)… a moça, muito atónita a olhar para mim, lá se levantou da sua cadeira e seguiu em direcção ao gabinete clínico… quando regressou, um minuto depois, disse-me: – venha se faz favor que o senhor doutor atende-o já… depois de agradecer lá segui para a sala de espera… de dentro do gabinete saiu um doente e eu entrei de imediato… contei o que se estava a passar, fui bem examinado e o diagnóstico foi-me dado logo ali: – o senhor acaba de ter um AVC e precisa de ir imediatamente para a Neurologia. Aguarde um momento que eu vou ver se o meu colega está de serviço… ali fiquei a aguardar… a calma aparente obrigou-me a acender um cigarro, o último que fumei, seriam cerca das 15 horas desse dia… quando o oftalmologista regressou levou-me para o gabinete da neurologia onde o especialista me examinou e confirmou o diagnóstico anterior… passou-me um relatório e disse-me para ir ao Delegado de Saúde carimbar o chamado P1 para poder ir fazer de imediato um TAC… assim fiz… no dia seguinte, de manhã, obtido o documento segui para o Porto onde fiz o dito exame… deitei-me na bela marquesa do túnel do terror e surge um enfermeiro de seringa na mão… aí eu disse: – Um momento por favor: o que vai fazer?… ao que ele me explicou ir injectar-me o iodo para contraste e que iria sentir um ardor na cara que desceria pelo peito até às pernas e que desapareceria nos pés… (assim, na verdade, aconteceu) mais descansado, fiquei estático com a cabeça presa por uma fita e disseram-me para não me mover e olhar para uma luzinha vermelhinha que estava por cima da minha testa… e, pronto, ao fim de uns minutos, saí do túnel e mandaram-me esperar para ver o resultado… havia, na verdade, sofrido um pequeno acidente vascular cerebral provocado por arteriosclerose tabágica (durante 27 anos havia fumado 2 maços diários)… mandaram-me embora com a famosa receita da Aspirina 100 e que deveria ser seguido pela especialidade e fazer uns campos visuais de quando em vez… entretanto, a cegueira foi abrandando apesar de ter durado 33 horas… segui os conselhos e, nunca mais fumei… breve, no próximo mês, farei 20 anos sem tabaco… creio que foi uma vitória apesar de a ter conseguido por ter apanhado um dos maiores sustos da minha vida… e aqui acabei de contar a minha odisseia de como parei de fumar…”

01/03/2008 Posted by | Diversos | | 4 comentários

paz ao sol


.
“…não é branca mas é, na mesma, símbolo de paz num banho de sol…”

18/11/2006 Posted by | Diversos | | 10 comentários

finalizando

“… a viagem tem sido agradável mas já vem sendo mui longa… pelo caminho encontrei coisas boas, muitas; poucas coisas más… esta estrada é deliciosa e nela se encontram todos os sentimentos que possam existir no ser humano… nada nela me fez infeliz… tentei sorrir sempre o máximo que pude e me foi possível porque a vida me tem dado também alguns pontapés… não estou ainda cansado nem acabado mas este espaço aqui em que tenho vivido entre vós está a tornar-se apertado e preciso de respirar… este espaço precisa de arejar e deixar um outro espaço que eu possa preencher sem prescrever… só prescrevemos quando a morte nos vem buscar e eu espero bem que ela venha ainda muito longe… por isso, decidi fechar as portas desta “nossa” casa no dia em que ela faz 3 anos: no próximo dia 19… o lobices nasceu no Sapo em 19 do 11 de 2003… quero guardar tudo isto no meu coração… aos poucos me irei despedindo deste ainda enorme pedaço de mim…”

17/11/2006 Posted by | Diversos | | 24 comentários

per te

10/11/2006 Posted by | Diversos | | Deixe um comentário

adormecendo

“… deixa enroscar-me nos teus braços… coloca tua mão na minha cabeça e enrola os teus dedos nos meus raros cabelos… baixa um pouco a tua fronte e beija a minha boca… deixa enroscar-me no teu colo… sentir a tua maciez e ver de baixo para cima o teu sorriso… ver-te junto a mim e saber-te ali comigo… de tal forma que quando olhas eu sou o teu olhar… de tal forma que quando sorris eu sou os teus lábios… de tal forma que quando me afagas eu sou a tua mão… de tal forma que quando me tocas eu sou o teu corpo… de tal forma que quando me olhas eu sou o teu olhar… deixa pousar o meu cansaço na tua serenidade e sentir a tua paz na minha guerra… baixar as armas e sentir a trégua na tenda que se ergue no deserto da batalha… humedecer as mãos na brisa da água que corre no ribeiro que nos circunda… lavar a cara na frescura do vento que nos embala… sentir que nem tudo é real mas que o sonho nos preenche… sentir que, por vezes, só o desejo chega, só o querer basta, só o pensar nos satisfaz… deixa-me ser não só a realidade mas também o que não somos… deixa-me olhar para dentro de ti e ver-me inteiro… deixa-me tocar-te com o sonho e saber-me parte dele como sei que ele é uma parte do meu eu verdadeiro…”

31/10/2006 Posted by | Diversos | | 42 comentários

you are beautiful, james blunt

26/10/2006 Posted by | Diversos | | Deixe um comentário

cristiana

…Cristiana veio a seguir ao Nuno (meu primogénito)
…faz hoje 35 anos que me deu a alegria de ser pai mais uma vez
…longa caminhada esta que nos levou por estradas tão diversas
…sendas percorridas com risos e lágrimas
…metas que não estão escolhidas mas que serão atingidas
…com esperança no peito e um sorriso na alma
…parabéns filhota!
…um beijo muito grande

21/10/2006 Posted by | Diversos | | 9 comentários

guilherme

“…e porque o meu neto mais novo faz hoje 5 anitos, aqui fica um voto de muitas felicidades e um beijo grande de muito carinho deste avô (sempre) babado…”

14/10/2006 Posted by | Diversos | | 8 comentários

acordar

“… Corpo… Onde se encontra ele?… Que sabes tu de mim?… Que entendes tu da matéria que forma o meu corpo, o meu eu, o meu ser, o meu aqui? Será que não o é? Será que não há corpo? Claro que sei: a morte não tem importância porque a vida é apenas um sonho, eu sei disso; mas nem assim deixa de ser um factor inquisitivo sobre o que é o meu corpo. É por isso que te pergunto se sabes o que ele é, onde está, o que faz, para que efeito está aqui e para onde vai… é por isso que me interrogo e não encontro respostas. Dizes-me apenas que me sentes e que sou real e eu não entendo porque não me encontro; como podes tu dizer que existo se eu próprio não me conheço?… Como podes tu dizer que sou se eu próprio não estou?… Deliro dentro do meu sonho nesta vida sem encontrar o antídoto para acordar. Espero apenas que, pelo menos, tu sejas real para poderes sonhar comigo também. Espero apenas que sintas o meu toque quando me tocas. Espero apenas que saibas que estou aqui porque tu dizes que eu existo; e, se existo, existo para ti… para mim através de ti… para além do sonho de me saber aqui no colo que me dás, no abraço que me aperta, na carícia que me afaga, no beijo que me sossega, no corpo que me deseja… E, ao acordar a teu lado passo a porta do sonho para o quarto da realidade… E espelha-se em mim, por fim, a tua serenidade…”

06/10/2006 Posted by | Diversos | | 11 comentários

escrita

“… coloco aspas e reticências… um hábito já muito antigo quando quero viajar pelas palavras nem que seja para vos desejar uma boa semana de trabalho… tento, dessa forma, pairar sobre elas na procura das letras que formem palavras… pairo sobre as vogais e as consoantes e demoro-me na procura das frases, das orações, dos pronomes, dos adjectivos, dos verbos e das verbalizações… concebo ainda a existência das vírgulas, dos pontos, de exclamações e por vezes coloco também uma ou outra interrogação… passo ainda pelos advérbios, pelas conjunções, pelos acentos circunflexos, agudos e em algumas vezes os graves… utilizo ainda as palavras que contenham hífen e quase nunca as que possuem tremas… dou uma olhadela pela possível utilização dos números ou dos algarismos, mas raramente… aproximo-me ainda dos galicismos ou de outras proveniências e tento, por ventura, fazer algum sentido com toda esta amálgama de fonemas, ditongos ou quem sabe ainda se também pelas amorfas e pelas átonas… o que quer que elas sejam, elas ficam aqui impressas num exercício renovado de prazer em as escrever e depois as ler… depois desta viagem, pouso a escrita com mais umas reticências e fecho a porta com mais umas aspas…”

02/10/2006 Posted by | Diversos | | 7 comentários

existem estrelas

“… algures, num ponto inacessivel à vista humana, num lugar que não se sabe se existe ou se será como pensamos que possa ser, poderá estar o meu destino, ou a meta de qualquer um de nós… num viajar pelos domínios do sonho eu apenas quis deixar aqui expresso o meu voto de um bom fim de semana para todos vós e que, no mínimo, as estrelas vos possam guiar…”
(photo from Astronomy.com)

28/09/2006 Posted by | Diversos | | 14 comentários

outono


.
“… a bolota que se guarda… a fazer lembrar as castanhas assadas… com os votos de uma boa semana para todos vós…”
(foto tirada da net)

25/09/2006 Posted by | Diversos | | 12 comentários

ida

“… Agacho-me com facilidade porque as calças de ganga assim o permitem; no entanto, os sapatos estão enterrados na areia mole da última chuva que caiu… estendo a mão e sinto-a fria mas de textura admirável… afago-a e sinto os seus minúsculos grãos passearem-se pela minha mão… é uma sensação agradável mas ao mesmo tempo faz cócegas e sinto necessidade de a retirar… mas não: enterro os dedos na areia fina e rodo-os o mais que posso para sentir já não a finíssima camada mas a dureza da mais dura que existe por debaixo… tiro os dedos e a mão traz um punhado de terra, terra granulada pertença das águas do mar… olho-a bem e permito que os dedos da minha mão se abram e os grãos deslizem… o vento sopra de norte um pouco forte e não consigo visionar a queda daqueles minúsculos pedaços do meu mundo, do mundo em que habito e que está sob os meus pés… o vento então, leva-os para bem longe de mim… mas, ao mesmo tempo que os vejo fugir sorrio porque imagino que para além dali onde estou, aqueles pedaços de nada e de tudo levam um pouco de mim para outro lugar… vagueio, pois, ao sabor do vento e sei que uma parte de mim irá viajar para bem longe; aqueles grãos levam as minhas impressões digitais, o meu cheiro, parte da minha pele, parte do meu ser, daquilo que fica aqui e agora e que, ao mesmo tempo, voa para outro lugar… o prazer de me saber, afinal de contas, presente mesmo fora de mim…”

22/09/2006 Posted by | Diversos | | 11 comentários

brincos


.

“… o mundo anda conturbado em todos os sentidos… procuro palavras para explicar a mim mesmo o que vai na mente e no coração do Homem… não encontro… e a tristeza me invade… olho em frente, espraio o meu olhar e vejo as cores e o sol e os pardais e ouço os sons da vida que me rodeia e inspiro o aroma da terra… toco nas minhas flores e absorvo a sua beleza e a sua inocência… aspiro aprender o que a natureza ainda tem para nos ensinar e que nós teimamos em não aprender… então, pelo menos, tento fixar o momento, eternizar o momento para não me esquecer que a beleza está à nossa frente e que o Homem não a quer ver… uma boa e feliz semana para todos vós…”

18/09/2006 Posted by | Diversos | | 18 comentários

hoje

…e porque hoje gotas de chuva também me lavaram a alma
…e porque hoje também despi meu corpo e me olhei inteiro
…e porque hoje senti a sombra da minha ausência
…e porque hoje sorri à solidão e não fechei a janela
…e porque hoje abri a porta e entrei dentro de mim
…e porque hoje berrei o silêncio e o grito calei
…aqui vim e me quedei sorrindo do choro que ainda não chorei

.
(republicação)

15/09/2006 Posted by | Diversos | | 6 comentários

setembro


.

“… ontem cairam as primeiras gotas de chuva de Setembro… apenas uma espécie de orvalho mais forte… o cheiro a terra molhada entrou por este meu canto adentro… fui inspirar o ar puro desse aroma… olhei as minhas rosas… não resisti… as suas pétalas sorriam para mim e estavam húmidas de prazer… quis eternizar o momento em mais uma das minhas fotos…”

12/09/2006 Posted by | Diversos | | 7 comentários

orar

No dia em que se comemora mais um aniversário sobre os tristes eventos do ignóbil “nine/eleven”, apeteceu-me postar aqui aquela que considero ser a mais bonita prece, aquela que é conhecida como a oração de S. Francisco de Assis:
.
“… Senhor: Faz de mim um instrumento da Tua paz… onde haja ódio, consente que eu semeie amor… perdão onde haja injúria… fé onde haja dúvida… verdade onde haja mentira… esperança onde haja desespero… luz onde haja treva… união onde haja discórdia… alegria onde haja tristeza!… Permite que eu não procure tanto ser consolado quanto consolar… compreendido quanto compreender… amado quanto amar… porque é dando que recebemos… é perdoando que somos perdoados… e é morrendo que nascemos para a eternidade…”

11/09/2006 Posted by | Diversos | | Deixe um comentário

eu

“…amo desde o momento que quero amar até ao momento em que decido não amar… para amar é preciso querer amar como quem tem frio e quer calor ou como quem está cansado e quer descansar… tão simples quanto isso: é apenas um acto de exercício de um querer… não amamos por amar ou porque fomos aprender a amar como quem vai aprender uma nova disciplina; só se aprende uma nova ciência desde que se queira aprender; é preciso querer aprender; ninguém é obrigado a amar como ninguém é obrigado a não amar ou até mesmo a odiar… para amarmos é preciso que se queira amar: dizer mesmo – eu quero – e sentirmos que esse é um querer simples e sem artifícios… amar é uma entrega absoluta sem qualquer barreira, mesmo que magoe, que fira, que não seja o que pensávamos que seria… amar é uma dádiva e não um receber o que quer que seja, dando-nos para além de nós próprios mesmo que isso signifique perder alguma coisa… amar pode ser a perda de nós mesmos em prol de alguém que precise mais de mim do que eu próprio preciso e pode significar, portanto, dor, lágrima, choro, tristeza, amargura, infelicidade, desespero, quiçá até mesmo desamor… amar não é sorrir e dizer: Que bom, amo!… amar é dizer eu estou aí em ti e não em mim… amar é olhar para mim e sentir que só faço falta a ti e que me sobro a mim próprio… amar é tão simplesmente isso: querer estar naquele que precisa de mim mesmo que isso queira dizer que me perca, que deixo de ser o que sou ou o que gostaria de ser, mesmo que signifique a dor e a perda que tanto abomino e não desejo… para amar basta apenas querer amar… e a lágrima escorre pela minha face e a dor é forte mas, eu quero amar!…”

08/09/2006 Posted by | Diversos | | Deixe um comentário

escrito

“…Porque te sentas de pernas cruzadas sobre a nudez do teu silêncio? Para te ouvires desejando não ouvir o que não és capaz de pensar? Porque te sentas de costas voltadas à treva se da treva vem a luz que te cega? Para não olhares, para não veres o que sempre desejaste ver? Porque me dizes que sim quando do teu peito sai um gritante não? Para não teres de balbuciar um talvez? Porque pensas que pensas o que não pensas? Para pensares no que eu penso que tu pensas? Não, o melhor é mesmo não pensares. Porque sentes que a vida te foge por entre os dedos se as tuas mãos estão presas e cheias de dúvidas? Porque desejas libertação se o que intimamente queres é estar quieto na bonomia do turbilhão? Porque calas o teu grito se do fundo da tua mansarda revelas a negrura da alma que te compõe o sentir? Porque não mentes se é tão doce mentir? Porque não calcas a doçura do mel? Porque não espezinhas a palavra calada? Porque não escreves o nada que temos para dizer? Que te disse eu que tu já não soubesses? Aprendeste algo mais para além daquilo que já não sabias? Que sabes tu da ignorância que te cerca se a certeza de saber é apenas uma incógnita que nos abala a consciência de nada sabermos, ou apenas de sabermos que nada sabemos? Para que viemos aqui? Para que é que estamos aqui? Para dizermos tudo quando apenas dizemos nada?…”
(republicação)

04/09/2006 Posted by | Diversos | | 7 comentários

amanitas

“… eu sei, eu sei que são venenosos e não dão para se fazer deles uma iguaria mas nem por isso deixam de ser belos e com os quais qualquer um, uma bela pintura, por exemplo, faria… mas fica apenas a sua textura e colorido para vos desejar a todos um fim de semana bem vivido…”

01/09/2006 Posted by | Diversos | | 13 comentários

estatuto

“… havia apenas um silêncio todo ele verde formado por árvores frondosas, um cheiro a erva, a pinheiro, a eucalipto e o marulhar de um riacho com o bater compassado da água nas pedras soltas do seu leito… o silêncio também tinha asas; eram os pássaros que não distingo as espécies, um milhafre e quem sabe talvez uma águia… era um silêncio que também possuia a qualidade de ser tocado, bastava para isso, abrir os braços e inspirar fundo a plenos pulmões e sentir o seu abraço dentro do corpo beijando a alma… era um silêncio feliz porque me fazia sorrir e cerrar os olhos para o ouvir… um silêncio que também se via mesmo sem o olhar… o silêncio puro, alvo, cristalino, todo ele formado de muitas coisas que o tornavam único… tê-lo ali comigo era uma espécie de bênção e senti-lo ainda me provocava mais prazer… deixei-me ficar, ali nele deitado a usufruir a sua existência… de olhos fechados sabia-me fazer parte dele… senti-o penetrar-me devagar com suavidade e deixei-me embalar numa canção sem acordes mas que me deixavam perceber o porquê de tudo… ali, uma só molécula e eu fazia parte dela… um só mundo… um só ser… o sagrado estatuto de viver…”

28/08/2006 Posted by | Diversos | | 14 comentários

brilho

“… hoje está um dia mais fresco mas ainda cheio de sol e esta noite foi de lua nova… não tenho luas nem sóis para vos dar, nem novas nem velhas, nem cheias nem brilhantes… tenho apenas palavras a tudo isso semelhantes porque encerram o voto sincero de um bom fim de semana para todos vós…”

25/08/2006 Posted by | Diversos | | Deixe um comentário

primeiro

“… havia uma necessidade enorme de estar lá… não era somente desejo, era mesmo imperativo, quase mais que obrigatório… mas sentia que as pernas não se moviam e os braços estavam caídos numa postura de desalento… deixei-me ficar assim ainda mais um momento… tentei, então, mais uma vez, caminhar naquela direcção e fiz um esforço enorme para conseguir mover um pé… sabia que nem era necessário ter fé, bastava mover o pé… senti que uma fina dor me percorria a coluna mas nem por isso deixei de tentar… era preciso ir, era preciso caminhar… no fim do caminho estava apenas a meta a atingir mesmo sem saber qual ela era; no entanto, era certo saber que estava no fim da estrada, no meio do arvoredo… olhei em frente, sem frio, sem aquele frio do medo… havia apenas uns braços abertos e um sorriso na face; e uns olhos brilhando… ouvia um som repetido, uma batida ritmada… esse som chamava-me, clamava por algo que eu não sabia ser o que era… num tremendo e último esforço a minha perna avançou e senti que a coluna se fixou… houve uma espécie de tontura mas o esforço valeu a força precisa para fazer avançar o outro pé… nesse momento senti-me cair mas não cheguei a tocar o chão… uns braços fortes enlaçaram-me e elevaram-me no ar… só muitos anos mais tarde vim a saber que aquele tinha sido o meu primeiro passo…”

21/08/2006 Posted by | Diversos | | 8 comentários

sejam felizes


.

apenas uma variedade que não conheço, uma das muitas que existem no meu quintal, com a finalidade de desejar um bom fim de semana a todos em geral

18/08/2006 Posted by | Diversos | | Deixe um comentário

busca

“… procuro em todos os poros do meu corpo a tua presença… vasculho a penugem que me cobre na busca de um traço teu, de uma marca deixada na selva do meu corpo… uso a mente na concentração do pensamento de todos os momentos vividos para os reencontrar em mim… uso a imaginação e penetro nas minhas artérias, nos meus músculos, nos meus tendões; tento ver as marcas que a tua estadia em mim deixou… minuciosamente, uso todos os meus sentidos: olho-me completo, milímetro a milímetro, cheiro-me, saboreio a minha pele e ouço o bater do meu coração, toco-me, acaricio-me… e vejo-te em mim, e sinto o teu cheiro a pétalas… o meu palato sente o sabor doce dos teus lábios, do teu beijo, do teu sal… ouço o sussuro das tuas palavras nos meus ouvidos e abandono-me aos teus devaneios… são pequenos nadas do meu dia a dia na procura de ti sempre presente em mim… são pequenos nadas da minha vivência enquanto tento olvidar os pequenos nadas da nossa ausência… olho-me sempre e vejo-te… e a tua presença é constante mesmo quando não estou a teu lado, mesmo quando não somos um só e nos fundimos de tal forma que tudo o que és fica indelevelmente gravado em mim…”

14/08/2006 Posted by | Diversos | | 3 comentários

preencher

“… há um desejo enorme de preencher este espaço que aqui se encontra à minha frente… uma vontade quase sem freio pois não encontro nada que me impeça de o fazer, de preencher este espaço… porém, é preciso encontrar as letras e com estas formar as palavras, palavras que possam dar um sentido à concretização desse mesmo desejo… não olho à minha volta pois o espaço que me rodeia é já demasiado conhecido; conheço todos os cantos como também conheço o espaço que tenho à frente dos meus olhos… baixando um pouco o olhar, vejo (engraçado) quatro dedos: o indicador da mão direita e o polegar da esquerda ao lado dos seus colegas o indicador e o médio; é este que bate nas teclas com a companhia agressiva do indicador direito; os outros encontram-se encolhidos e nada fazem para encurtar esta tarefa; nem sequer se espreguiçam nem tentam obstar as dificuldades do hábito de longos anos de “teclagem”… escrevo sempre e apenas com 2 dedos… é deles que me saem as palavras de dentro de mim… foi com eles que, mais uma vez, preenchi este terrível espaço que estava aqui à minha frente… agora tem letras que formam um pequeno texto que mais não serve do que vir aqui deixar-vos a minha amizade, a minha presença e desejar a todos vós o melhor, no que quer que seja o vosso desejo… e que a luz, a paz e a harmonia vos preencha como estas letras preencheram este espaço que estava em branco… e, um bom fim de semana…”

10/08/2006 Posted by | Diversos | | 9 comentários

tido

“… queria descrever o meu tempo… mas não posso ou não sei ou não consigo mas sei, isso não nego, que o trouxe comigo… comigo veio o sorriso e o sabor de tudo… veio o abraço, o beijo, o toque, o enlace, a fusão, o auge, a doce e terna sensação… comigo veio o tempo dividido em pequenos nadas, nas gargalhadas, nos olhares, nos ditos e nos sussurros… comigo veio o espaço preenchido dos pequenos nadas que formam o todo… comigo veio o olhar, o cheiro, o sabor, o sentir, o tocar; trouxe tudo comigo; nada lá deixei ficar… fica de reserva neste espaço de tempo que medeia entre os tempos de se estar, de se ser, de se deixar de sermos para se ser apenas o par… fica comigo, a meu lado ou ao meu redor ou dentro de mim… tanto faz… é tão leve e tão serena a suave sensação de paz…”

07/08/2006 Posted by | Diversos | | 11 comentários

rampa

“… existe uma forma natural de estar na vida: é vivê-la, vicenciar momento a momento o que nos é concedido partilhar com o Universo e este connosco… porém, nem sempre é fácil e a vida não é tanto aquilo que desejaríamos que fosse e, por vezes, desperta o desespero, a inquietação, a ambiguidade, a incerteza, a negativa forma de se viver a vida… mas talvez esta forma negativa seja o contraponto da positiva forma de se estar nela; talvez só assim se consiga viver, ou seja, num equilíbrio de formas, de estilos, de forças e de quedas, de dores, de angústias… a vida é um conjunto enorme de imensas coisas que não conseguimos ter ou sentir na sua totalidade; uns têm uma forma de vida, outros têm outra forma; somos diferentes ainda que iguais ou somos idênticos ainda que diferentes… e, às vezes, também eu próprio tenho as minhas alegrias e em termos de equilíbrio tenho, por vezes, as minhas tristezas… talvez a vida seja mesmo isso e sabermos, quando estamos alegres, que a tristeza também existe e que quando estamos tristes sabermos sorrir porque temos a consciência que a alegria também é um facto… vivemos, assim, numa balança instável de emoções, a tal forma binária dos dias “zero” e dos dias “um” fazendo de nós um pouco a forma como trabalham os computadores… talvez sejamos também um deles com algo mais cá dentro: uma Alma, um Espírito, um Coração, um Amor, um Desejo, uma Sensação de sermos o que somos e que podemos ser felizes mesmo quando estamos infelizes; que podemos sorrir mesmo quando se chora… faz bem e é preciso gritar às vezes… não pensem que tudo são rosas: elas são belas porque têm espinhos. A vida é bela porque existem gargalhadas e lágrimas, porque existe o doce e o amargo, porque existe o poder para mudarmos sempre que quisermos e fazermos de um dia “zero” a rampa de lançamento para um dia “um”… hoje, vesti o meu fato espacial e estou na rampa de lançamento… a contagem decrescente continua e a mudança está ali à minha espera, num abraço, num beijo quente, num doce sabor a tudo, no “um” completo que me faz feliz… também vos desejo a todos esse dia um…”

04/08/2006 Posted by | Diversos | | 7 comentários

regresso


.

“… regresso da fuga às palavras… retorno às mesmas num ramo mágico de 7 petites roses que o meu quintal me brinda neste reaparecer de imagens e de letras numa tão ansiada vinda…”
.
(Curiosidade: o tamanho real de cada uma destas rosinhas é de 12 milimetros)

30/07/2006 Posted by | Diversos | | 13 comentários

fuga

“… não tenho férias mas sinto necessidade delas… acho que devo também partir à procura de um descanso das palavras e ficar-me no vazio delas durante uns dias… sentir-me liberto dos laços que me prendem a elas e voar em direcção ao nada que preciso me rodeie… a floresta de que falei há dias tem ali uma clareira e vou aproveitar… vou caminhar em frente num percurso sem palavras escritas nem lidas… vou apenas descansar um pouco, fugir para dentro de mim; eu também preciso de mim, de vez em quando sinto necessidade de me encontrar dentro do que sou e deixar de ser o que não posso vivenciar… espreito para todos os lados e sinto que este é o momento certo para parar… descansar um pouco de tão cansado que ando de não ter cansaço… não ter férias cansa quando estar em férias é a nossa constante… avanço então em frente na procura de paz apesar de saber que a falta, que vou sentir das palavras, não me satisfaz…”

21/07/2006 Posted by | Diversos | | 16 comentários

vivido

“… nada me consegue dizer como será o dia de amanhã… apenas posso julgar o de ontem ou, levianamente por extemporâneo, o de hoje… nada me diz se amanhã olharei da mesma forma que olhei ontem, se amanhã direi o que disse ainda há poucos minutos, se amanhã farei o que ontem foi um facto, um ser, um sentir, um estar… amanhã, será um ontem para depois de amanhã; depois desse amanhã eu saberei dizer mas agora não… agora, aqui e em mim, apenas o que vivi, o que sei que foi, o que senti, o que vivenciei num misto de temor e destemor, num misto de leveza e peso de se ser o que se é e o que se transmite ao outro… agora, aqui e em mim, apenas o fragor da essência que me transmites e que trago comigo e que guardo em mim, apenas o saber que o foi, apenas o saber que fomos, apenas saber o que se sentiu… nada me consegue dizer como será o dia de amanhã mas é tão bom saber como foi o de ontem e o quanto de bom ele foi e o que nos deu…”

17/07/2006 Posted by | Diversos | | Deixe um comentário

seda


.

“… para a minha doce rosa doce a seda pura da ternura… para todos vós, os votos sinceros e amigos de um óptimo fim de semana cheio de amor, doçura, alegria e um sorriso de paz…”

14/07/2006 Posted by | Diversos | | 7 comentários

floresta

“… num determinado dia da minha vida (não o sei localizar nem no tempo nem no espaço) encontrei um mundo novo à minha frente: era o mundo das palavras!… Uma espécie de mar revolto ou melhor ainda, uma floresta densa, muito espessa, com imensas árvores e cada uma com imensos ramos que se ramificavam uns nos outros… olhei a floresta de frente mas não encontrei uma vereda para nela entrar… os caminhos, em sucalcos, eram imensos e tortuosos… aventurei-me por um deles e comecei a penetrar o mundo das palavras, o mundo daquela nova floresta ali à minha frente e que me começou a cercar por todos os lados… o caminho foi longo e muito árduo mas ao mesmo tempo, sempre que acabava de percorrer uma vereda, sentava-me a descansar e sentia-me (como ainda me sinto) feliz… feliz por ter percorrido mais uma etapa… mas a floresta não tem fim nem lhe diviso a tal luz ao fundo do túnel porque ela, esta floresta, não tem fim, não tem o descanso do guerreiro… é uma vereda imensa a percorrer todos os dias das nossas vidas e na qual adoro estar… ao longo do tempo aprendi a amar estas árvores, estes ramos e estas ramificações… acho que já faço parte do arvoredo mesmo sem tentar subir à copa das árvores… bastam-me os ramos e a sua sombra frondosa para descansar este amor imenso que sinto pela palavra, pelo verde que ela encerra, pelo odor que nos penetra e pelo toque que ela se permite a si mesma ser tocada… amo-as porque por mais ténues que elas sejam ou difusas nos raios de luz que penetram a floresta, elas nascem de mim para todos vós…”

10/07/2006 Posted by | Diversos | | 7 comentários

diplomada


.

“…já tenho a minha neta diplomada e de cartola!… Mesmo sendo o diploma da quarta classe, é na mesma um diploma!… Muitos beijinhos daqui do avô para ela e para todos vós os votos de um óptimo fim de semana…”

07/07/2006 Posted by | Diversos | | 15 comentários

altar


.
“… há festa na minha terra e a Igreja está florida…”

02/07/2006 Posted by | Diversos | | 7 comentários

agapantes


.
“… os meus votos de um óptimo fim de semana para todos vós…”

30/06/2006 Posted by | Diversos | | 11 comentários

acenar

“… o tempo passa demasiadamente depressa… quando damos pelo facto, seja ele qual for, o tempo esvaiu-se e quase não o vimos passar… quando não o vemos passar porque ele foi usado em positiva vivência, é óptimo recordar esses momentos que não vimos passar porque o tempo estava a ser ganho por algo bom que recordaremos com prazer… porém o tempo voa e quando damos por ele, ele já passou e já são horas de dizer um novo adeus, um até breve, um até depois… fica o sabor de tudo o que se viveu… fica a saudade desses momentos… fica a ânsia de que eles voltem depressa mais uma vez… e quando o tempo de viver esses doces momentos acaba, fica em nós a presença do outro, o cheiro, o sabor, o tacto, o som e a imagem que fixamos com ternura para, no mínimo, a levarmos dentro de nós… até ao próximo encontro… no entretanto, fica o aceno, o olhar para trás, o dizer aquele adeus com a mão estendida e o rosto, apesar de tudo, sereno e com um sorriso nos lábios… o acenar até que a esquina surge e o passo continua calmo no percorrer daquela rua…”

26/06/2006 Posted by | Diversos | | 11 comentários

cascata sanjoanina


.
“… para os Tripeiros uma Noite de S. João em grande e para todos os outros que não a gozarem, um bom fim de semana com muito sol e amor…”

23/06/2006 Posted by | Diversos | | 13 comentários

evoluir

“… ninguém se levanta estando em pé… só se levanta quem cai… da mesma forma é o nosso evoluir, é com constantes quedas e consequentes levantares que vamos crescendo… ninguém nasce ensinado e temos necessidade de aprender… aprendemos cometendo erros e rectificando-os ou eliminando-os… não os devemos manter cativos dentro de nós mas não os devemos desprezar… devemos olhar para eles como fazendo parte de nós mesmos, do nosso tipo de evolução… no amor, também crescemos ao cair e ao levantarmo-nos; também vamos aprendendo a amar com o desamor, com o riso e com a lágrima, com o sol e com a lua, com a chuva, com o vento e as estrelas… com a desilusão e mesmo com a ilusão… com o sorriso, o senso e o disparate… mas é dentro de cada um de nós que o amor cresce nas constantes quedas que damos… então, ele floresce por si mesmo se lhe dermos atenção e valor… aprender que amar não é somente estar bem, também é dor… ser feliz é apenas desejar sê-lo e senti-lo no mais pequeno detalhe de cada momento das nossas vidas… ser feliz é estar feliz, é querer ser feliz da mesma forma que para amar é preciso querer amar… ninguém ama se não quiser amar… é nesse querer, nesse desejo de o ser, nesse querer sentir que, passo a passo, queda a queda, vamos evoluindo… um dia chegaremos lá e esse lá é apenas o concretizar da nossa vontade e nada mais… sou feliz porque quero ser e amo porque quero amar…”

19/06/2006 Posted by | Diversos | | 16 comentários

dificuldade

“… Existe uma enorme dificuldade em se pronunciar a palavra “Amo-te”… na verdade, a qualquer um de nós, dizer à pessoa de quem gostamos que a amamos é um verdadeiro desafio… e, muitas vezes, engole-se em seco e não conseguimos dizer e ficamos com uma vontade enorme de bater em nós mesmos por não sermos capazes de fazer uma coisa tão simples como dizer uma palavra tão serena… no entanto, é o nosso subconsciente que tem “medo” de a pronunciar porque ela encerra uma enorme carga de sentimentos e de responsabilidade… há, no entanto, quem a use de tal forma simples que a torna tão usual e normal pela leviandade com que a pronuncia… quando se diz a alguém: “Amo-te”, não estamos a dizer: “Gosto de ti”… existe uma enorme diferença, eu diria mesmo um abismo entre as duas formas… gostar é demasiado fácil e muito egoísta, porque quem gosta de algo é porque esse algo a satisfaz… amar não é tirar satisfação do outro, amar é entrega, é dádiva, é querer que o outro tire de nós… quando souberes que és capaz de dar a vida por alguém, por exemplo, podes dizer com propriedade que amas esse alguém por quem estás disposto a dar a vida se preciso for… quando estiveres convicto que amar é dares-te e não obteres, então podes dizer ao outro: “Amo-te”… não pronuncies nunca a palavra que te compromete, que te “obriga” a um compromisso para com o outro, mesmo que seja por pouco tempo… amar é tão-somente e apenas uma entrega absoluta e total de alguém a outro alguém… se não estiveres certo de que estás pronto para essa entrega então mais vale não dizeres que amas porque, na verdade, não amas, apenas gostas… é, portanto, preferível abafar a palavra do que a dizer levianamente… daí que, ouvir alguém dizer-nos: “Amo-te” é ficar com a certeza de que somos “donos” de quem o afirma… é ficar com a certeza de que, na verdade, podemos “tirar” tudo dessa pessoa porque ficamos a saber que ela se nos dá inteira, de corpo, alma e coração… mais vale não dizer que amas alguém se para ti essa forma de amar não for sinónimo de dádiva… e não tenhas vergonha de não seres capaz de amar porque amar é um estado de alma e não um estado físico… para amares, precisas de te amar a ti primeiro… quando conseguires amar-te a ti mesmo, então saberás que estás apto a amar o outro…”

16/06/2006 Posted by | Diversos | | 15 comentários

vivo

“… localizar no tempo, no tempo passado até ao momento actual, qual foi ou qual é aquele que nos marcou ou nos marca, qual foi o melhor ou o pior momento, etc., é um exercício que nos leva a lembrar uns e a esquecer outros… por vezes, esses outros que esquecemos sejam ou tenham sido os mais importantes mas ficaram escondidos nos cantos escusos da nossa memória ou até mesmo sejam tão importantes que ficaram arquivados num ficheiro com acesso apenas com palavra chave, como que como uma password… talvez momentos bons sejam mais difíceis de lembrar e, como saudosistas e fatalistas que somos, nos lembremos apenas dos piores… sempre pensei nesse tema e há apenas uma conclusão a tirar: de nada nos serve viver do passado mesmo lembrando os bons momentos… o que interessa aqui e agora é o facto de estarmos vivos, de estarmos a viver o momento que usufruimos agora mesmo, sentir que este é que é o mais importante de todos porque é o único que nos diz concretamente que estamos vivos… sorrir à vida por esse tão simples facto: o de estar vivo!…”

12/06/2006 Posted by | Diversos | | Deixe um comentário

hortênsias


.

“… por incrível que pareça, hoje chove aqui no meu quintal; umas pingas grossas de algumas nuvens carregadas mas que chuva de gotas tão saborosas… e há aquele cheiro tão belo da terra molhada… talvez adivinhem um bom fim de semana que é o que venho desejar a todos… sejam felizes e sorriam…”

09/06/2006 Posted by | Diversos | | 17 comentários

prolongar

“… e o amor não se esgota nos momentos em que os amantes se encontram… o amor perdura para além deles, dos momentos e dos próprios amantes… o amor fica em cada um como uma marca no tempo que vai para lá do tempo em que foi… o amor vai com cada um e reaje ao menor sinal de memória… reactiva-se a si próprio quando já lá não está, naquele momento em que se ama… eleva-se para além da sua meta e tenta chegar ao momento seguinte, momento esse que não se sabe se vai existir mas que se deseja e do qual se sabe apenas que será um novo momento… o amor não se esgota no momento em que os corpos se esgotam e descansam… o amor vai além desse esvair porque se não for nunca será amor… o amor não se esgota no peito de cada um porque continua na memória de ambos… o amor é isso, é saber que não foi só e apenas aquele momento… o amor prolonga-se a si próprio para além de si mesmo e daqueles que o vivem… o amor está para lá do próprio amor…”

05/06/2006 Posted by | Diversos | | 5 comentários

voar


.
“…sejam livres e gozem um bom fim de semana…”

02/06/2006 Posted by | Diversos | | 11 comentários

Nuno

…Nuno, é o meu primogénito
…faz hoje 36 anos que me deu a alegria de passar a ser pai
…longa caminhada esta que nos levou por estradas tão diversas
…sendas percorridas com risos e lágrimas
…metas que não estão escolhidas mas que serão atingidas
…com esperança no peito e um sorriso na alma
…parabéns, meu filho
…um beijo grande

31/05/2006 Posted by | Diversos | | 8 comentários

par

“… Entro no espaço que ocupo dentro de mim mesmo e tento perceber o que me rodeia para além dele… mas ao entrar dentro de mim fico perdido num labirinto de quereres e de indecisões, uma espécie de querer e de não querer e sinto que esse espaço que ocupo me dilacera a alma ou o que quer que lhe chamem… assim, ao olhar para todo o restante espaço, aquele que me rodeia, eu sinto que mais não sou do que um simples elemento de um todo que somos e do qual faço parte… entendo-me, então, como um facto e não como um desejo, um acto e não um acaso, um ser e não um abstracto… e tudo à minha volta faz sentido porque todo o resto não é mais do que eu mesmo extravazado para além de mim abarcando tudo o que tu és, tudo o que sou, tudo o que somos… e sinto, dessa forma, que o amor que existe entre nós não é um factor isolado mas um acto perfeito do que somos num só ser fundidos no acto de amar… e deixo-me ficar aí; e deixo-me ficar dentro de mim sabendo-me em ti ou deixo-me ficar em ti sabendo-me em mim e nesse mistério tão simples fica o Par, finalidade última do Amor…”

29/05/2006 Posted by | Diversos | | 9 comentários

loving


.
“… é a primeira rosa vermelha que coloco no meu blogue… ofereço-a à minha doce rosa doce e para todos vós vai o meu voto de um bom fim de semana…”

26/05/2006 Posted by | Diversos | | 9 comentários

noticiar

“… passeio pelas ruas da minha cidade… um cheiro intenso a vida, um odor repleto de vivências, aquilo a que chamo de experiências, de seres contidos em si mesmos e de seres virados para o para lá de si… pessoas que passam e pessoas que estão… vivem e não sabem que vivem porque apenas são… mas olho e vejo ao meu redor essa vida que não se vê e que não sai nos noticiários dos jornais televisivos nem nas parangonas dos tablóides… cheiro o perfume da urina nas esquinas e o sabor do odor do peixe frito nas varandas… o exalado pólen que vem das faias e das margaridas… o zunir das abelhas… vejo aquela mãe naquela varanda de peito de fora a amamentar o seu filho… vejo aquele miúdo traquina descendo a rampa no seu triciclo… os trilhos do eléctrico apanham um tacão desprevenido… e o senhor João da Camisaria Moderna, à porta, a todos que passam, dirige o seu cumprimentar sorridente… e ali vai a varina de cabaz à cabeça apregoando o carapau e a sardinha… no café do senhor José, o Soares está sentado a tomar a sua meia de leite com uma meia torrada e ao lado a senhora Miquelina assoa o nariz ao avental enquanto espera pela filha que foi ao hospital com o neto que havia rachado a cabeça a jogar a bola ali para os lados dos Guindáis… a vida percorre-me as veias como eu percorro a vida pela minha cidade… o Austin do senhor Carvalho acabou de passar e o fumo do escape aquece o chão que piso… a minha cidade tem vida e ninguém dá notícias dela… a vida não é notícia; esta apropria-se da morte que lhe dá valor e a desgraça vende; a guerra faz subir as audiências e o terror instala-se e provoca frenesim e a adrenalina sobe na pesquisa de mais um caso escabroso para contar… a minha cidade não tem notícias para dar… a minha cidade está viva e não vem nos jornais nem aparece nas televisões… e a minha cidade não tem nome nem vem no mapa dos homens; está apenas no meu coração…”

22/05/2006 Posted by | Diversos | | 13 comentários

tela


.
“… apenas um olhar por todo o tempo que passa, a lembrar os momentos sentidos, nos toques, nos olhares e um desejar a todos de um feliz fim de semana…”

19/05/2006 Posted by | Diversos | | 8 comentários

momentos

“… esses momentos existem… mesmo que sejam mui pequenos ou até mesmo, por vezes, efémeros, eles existem… e nós passamos por eles ou, se quiserem, eles passam pelas nossas vidas… mas, prefiro pensar que somos nós que os vivemos duma forma intensa, ou não, mas somos nós que os sentimos… depois, bem, depois fica o sabor de os termos vivenciado, de os termos saboreado e sabermos que jamais sairão da nossa vida porque foram nossos… ao terem sido nossos passaram a fazer parte de nós e vamos recordar esses momentos para todo o sempre… são momentos bons os que gosto de guardar dentro de mim; tento esquecer os momentos maus e sentir que apenas os bons foram reais… felizmente, tenho imensos momentos desses, desses momentos doces que ficam na minha memória e dentro do meu coração e ainda a vibrarem no meu corpo…”

15/05/2006 Posted by | Diversos | | 12 comentários

mel


.

“… não resisti a postar mais uma foto de mais uma das minhas rosas… que este botão de cetim vos leve o meu desejo de um bom fim de semana…”

12/05/2006 Posted by | Diversos | | 14 comentários

renovada


.
“…com o voto de uma boa semana para todos…”

08/05/2006 Posted by | Diversos | | Deixe um comentário

materna

“… durante 3 dias o teu corpo se contraiu com as dores de parto e a criança que trazias no ventre não queria sair… durante 3 dias o teu corpo se contorceu de dores e eu, impávido e sereno, dentro da tua bolsa amniótica, alheado do mundo que te rodeava, aguardava talvez que o meu mundo não explodisse e a minha vida fosse ali, onde estava… ao terceiro dia de dor, no dia 8 de Dezembro, fui obrigado a sair de dentro de ti… tiraram-me à força e eu pude ver a luz do dia e tu pudeste descansar… nasci no dia da Imaculada Conceição, a concepção por natureza, o dia em que se celebrava o dia das mães… ainda hoje, para ti e para mim, 60 anos passados, esse é o teu dia, o dia em que, pela única vez foste mãe… o meu nascimento forçado provocou a tua impossibilidade de gerar mais filhos e jamais pude ter irmãos… trataste de mim, sempre… hoje, sou eu que trato de ti… porque mereces e porque ainda és a minha mãe…”

07/05/2006 Posted by | Diversos | | 9 comentários

99 super

…Em primeiro lugar quero agradecer os amáveis comentários face à situação doentia deste meu portátil de trazer por casa…
…depois, informar que, felizmente e após aturada investigação técnica, não foi detectada qualquer anomalia grave no estado de saúde deste paciente pois o mal estava apenas num dos seus apêndices que teve de ser substituido (sem anestesia, coitado…), pelo que lhe foi conferida a respectiva alta…
…por outro lado, também me posso dar por satisfeito (e contrariando ali o presságio da amiga Pamina) já que o custo da intervenção foi muito leve… nestes termos, apraz-me sentir o prazer de estar, de novo, no meio de vós…
…e, para postar algo que fosse além da boa nova, lembrei-me da tão saudosa frase (30 anos atrás tantas vezes dita – os mais novos não sabem isso) que se dizia no posto de abastecimento de combustível:- Ponha 99 super se faz favor!… e no fim entregava-se aquela nota azulada de 100 escudos (o escudo a mais era a gorjeta) ao funcionário!… E lá se ficava mais ou menos com 14 litros de gasolina para o fim de semana, pelo preço de um café nos tempos actuais!…
…isto vem a propósito da notícia que (mais uma vez) ouvi no telejornal sobre o constante aumento do preço da gasolina… hoje, para se meterem esses mesmos 14 litros, seria necessário inventar uma nova frase:- Ponha 3.990 se faz favor!…
…e por falar em fim de semana, eis que um novo se aproxima; por isso e desde já, o meu voto de bom descanso mesmo pensando que jamais será possível pedir que me metam 5o cêntimos de gasolina no depósito!…

05/05/2006 Posted by | Diversos | | 16 comentários

cibernauta

“…as coisas acontecem quando menos se espera; no passado Sábado, uma brusca queda de tensão na energia deu cabo do meu portátil (deu cabo, espero bem que não pois ele ainda se encontra na unidade de cuidados intensivos de uma firma de especialistas; espero por notícias positivas quanto ao seu rápido restabelecimento)… enquanto isso, não resisti às saudades e cá vim eu a um ciber café dar às teclas para vos “ouler” e deixar-vos este recado… ainda que por razões alheias à minha vontade, peço-vos desculpa pela minha ausência forçada… espero que seja rápida a solução… até lá o meu abraço e o meu beijo a todos vós…”

02/05/2006 Posted by | Diversos | | 12 comentários

descanso


.
Um óptimo fim de semana para todos e com todas as cores

28/04/2006 Posted by | Diversos | | 15 comentários

cravos


.
Lembrar onde tudo aconteceu numa perspectiva das traseiras do Carmo

25/04/2006 Posted by | Diversos | | 8 comentários

sorriso


.
“… com esta bela imagem vos desejo um belo fim de semana…”

21/04/2006 Posted by | Diversos | | 7 comentários

carta a meu pai

“…faz hoje 20 anos que partiste… Estás noutro local, um local para onde foste, um local de sossego, de paz, não é ?… Tenho saudades tuas, pai !… Lembras-te do dia em que nos disseste até breve ?… Lembras-te dos dias em que sempre estiveste a nosso lado, lembras-te de tudo de bom que se passou antes de ires, lembras-te de tudo de mau que se passou antes de ires ?… Recordas o dia em que eu nasci, recordas o dia em que passaste ao estatuto de pai ?… Sei perfeitamente que te recordas e que só por isso te valeu a pena viver; sei que viveste em função dos teus, daqueles que faziam parte da tua própria vida, daqueles que eram a razão da tua existência!… Sei muito bem o quanto sofreste por mim e por todos os teus; sei perfeitamente o quanto lutaste para que nada me faltasse, para que tudo estivesse sempre bem… Lembras-te do dia em que te faltou algo para que eu não sentisse essa falta ?… Lembras-te do dia em que não comeste para que eu tivesse comida ?… Lembras-te do dia em que poupaste nos cigarritos para que eu tivesse dinheiro para o meu tabaco ?… Lembras-te do dia em que tiveste de pedir a um amigo para teres dinheiro para mim ?… Lembras-te do dia, de todos os dias da tua vida em que passaste mal para que em todos os dias da minha vida eu passasse bem ?… Lembras-te ?… Sei que te lembras e sei que sabes que tenho saudades tuas… um beijo para ti, pai!…”

20/04/2006 Posted by | Diversos | | 13 comentários

a todo o momento

“… queria dizer-te, doce rosa doce, palavras que nunca dantes tivessem sido ditas, ou quanto mais não fosse, escritas… queria dizer-te tudo o que queria poder dizer, gritar, falar, dizer ou escrever palavras e torná-las vivas… queria poder mas, por não saber ou não conseguir, deixo-te aqui no meu sorrir, o desejo de te dar um beijo com ternura e todo o carinho… queria poder tocar em ti e deixar, no todo que tu és, este sabor a tanto amar…”
(photo from: Corbis. Inc)

15/04/2006 Posted by | Diversos | | 12 comentários

vida


“… em vez do sofrimento e da morte, celebrem a alegria da vida; são estes os meus votos de uma Páscoa Feliz para todos vós…”

13/04/2006 Posted by | Diversos | | 21 comentários

moldura

“… na verdade, esta moldura é a minha prisão… de tão perfeitos traços me retrataste que me sinto afogada neles como se eles fossem a minha própria alma, o cerne do amor que nos inundava enquanto a vida me era dada para viver… lembras-te, meu amor, de todas aquelas cartas que te escrevi enquanto presa dentro de outras grades, linhas estreitas que me afastavam de ti ou que te afastaram de mim… nunca soube o porquê e essa dúvida, que ainda hoje, aqui de cima mantenho, será a minha companhia na eternidade… é ela também que me concede a possibilidade de te ver aí olhando-me aqui nesta parede nua, dentro de mim mesma vazia e tão prenhe de linhas com que me vestiste naquela manhã na cozinha no banco sentada, rindo-me da tua certeza… meu amor, a paz que me preenche não retira a dor que mantive e que comigo trouxe; a paz que me preenche é uma paz por amor a ti mas a dor essa jamais sairá de mim; é um pouco como eu nestes riscos presente na tua mente quando daí em baixo me olhas… resta-me a doçura da lágrima que vejo cair da tua face nesse chão carcomido pelo tempo que não nos foi concedido… dor de mim em teu peito também ele dorido…”

09/04/2006 Posted by | Diversos | | 11 comentários

colorir a vida


.
“…para todos, um bom fim de semana com as cores que o meu quintal e a natureza me brindam sempre, todos os dias…”

06/04/2006 Posted by | Diversos | | 14 comentários

quadro

“…olhavas-me de baixo e eu sentia-me como presa naquele quadro dependurado naquela parede nua… havias-me pintado, traço a traço, ruga a ruga com aquele lápis de cera preta com que fazias os teus gatafunhos… olhavas-me de baixo e eu sentia-me perdida no meio do teu olhar que não sabia ler, que não sabia entender… havias-me traçado a pele enrugada à volta dos olhos, nas faces, as próprias linhas do franzir habitual da minha testa… como me houveras pintado tão bem… ainda recordo aquela manhã em que sentada no banco da cozinha me havias pedido para posar para ti… ri-me como se pudesses fazer tal coisa… e, depois destes anos todos passados, em que regresso apenas em memória, olho-te de cima e vejo-te a olhar para mim daí de baixo, em pé nesse chão de tábuas rabugentas e bafiosas… olhas-me com um olhar parado, sem fulgor, apagado, mas olhas-me e recordas-me… só não consigo entender se me olhas por respeito se por amor… e a dúvida mantém-me presa dentro desta moldura…”

03/04/2006 Posted by | Diversos | | 9 comentários

estrutura


.
“…um bom fim de semana para todos… bem estruturado…”

31/03/2006 Posted by | Diversos | | 14 comentários

agir

“…quantas e quantas vezes, ou talvez não, pedimos um milagre… algo que nos mude a vida para melhor, algo que nos faça deixar de sofrer, algo que nos tire a lágrima que teima em correr, algo que nos permita sorrir para sempre e não mais ser dor… quantas e quantas vezes, ou talvez não, pedimos um milagre… algo que nos modifique a forma de ser, de podermos ser melhores ou até mesmo de podermos ajudar os outros… algo que tire o sofrimento no mundo, algo que permita a paz entre as pessoas… quantas e quantas vezes, ou talvez não, pedimos um milagre… um milagre para nós!… Estamos sempre a pedir um milagre na nossa vida; estamos sempre a pedir um milagre que nos tire a dúvida, a dor, a fome, o desânimo, a doença e tantas outras coisas que nos atormentam… tantas e tantas vezes e o milagre não vem e amaldiçoamos a prece por ela não ser ouvida… talvez fosse melhor não pedir um milagre… talvez fosse melhor sermos nós próprios o próprio milagre: mudarmos a nossa maneira de sentir o que somos e passar a sentirmos o que queremos ser; talvez nos baste sentir o que queremos e alegrarmo-nos com o que temos, com o que nos é dado usufruir… talvez nos baste sentir o que queremos ser e sermos o próprio milagre… quantas e quantas vezes, ou talvez não, pedimos um milagre e esquecemo-nos de o “fazer”, de o “elaborar”, de o “conquistar”… de sermos nós a agir…”

27/03/2006 Posted by | Diversos | | 14 comentários

pintura viva


.
“…com o desejo sincero de um bom fim de semana para todos…”

24/03/2006 Posted by | Diversos | | 11 comentários

aceitar

“… um dia (não sei quando) disseram-me que entre o possível e o impossível se encontra a vontade do Homem… ao longo da vida, todos os momentos que eu vivi, foram momentos impossíveis de viver (porque a própria vida é um milagre e eu não acredito em milagres mas em causas que provocam consequências) mas como foram vividos, logo a impossibilidade tornou-se possível… ao longo da vida verifiquei que tudo o que me era dado vivenciar não havia sido “criado” por mim mas apenas estava ali e eu o vivia, eu o sentia, eu fazia parte desse momento… ao longo da vida eu fui verificando que tudo é complicado e ao fim e ao cabo tão simples pela simples razão que somente a simplicidade é autêntica, ou seja, olhar à nossa volta e sentir que tudo o que nos cerca é natural, normal, vida em si mesma, sem ornamentos nem floreados… não somos nós que estamos a enfeitar a vida porque as flores já existem… não somos nós que estamos a perfumar os ambientes porque os odores já circulam à nossa volta… não somos nós que descodificamos os códigos, os códigos já não são enigmas, os enigmas já não são complicados porque tudo é tão simples de entender, tudo é tão simples de vivenciar… nada é impossível, portanto, tudo é viável, basta aceitar…”

20/03/2006 Posted by | Diversos | | 17 comentários

relax


.
“… votos de um bom fim de semana para todos vós …”

17/03/2006 Posted by | Diversos | | 11 comentários

oceanário de lisboa


.

“…quase 8 anos depois da sua inauguração, ontem finalmente, visionei um dos mais belos espectáculos que nos é dado ver com olhos de criança…”

13/03/2006 Posted by | Diversos | | 22 comentários

narcisos


.
“…com um voto de um bom fim de semana para todos…”

10/03/2006 Posted by | Diversos | | 8 comentários

toque

“… deito a cabeça no teu regaço… olho-te a face serena… e teus lábios sorriem… tuas mãos se envolvem nos meus cabelos e a massagem leva-me ao sonho… fecho os olhos e deixo-me vogar no teu corpo… dentro de ti… à tua volta… mesmo sem te tocar te sinto… tuas mãos tocam o meu ser como se nos meus lábios estivesse todo eu, como se a minha boca fosse todo o meu corpo… teus dedos leves e suaves me transportam, nesse toque, para lá de mim mesmo e me deixo ficar por momentos apenas nesse espaço, nesse limbo, nesse suave sentir de seda e com sede de um beijo… é esse beijo que acontece a seguir… é esse toque que me faz emergir de mim para imergir-me em ti… apenas um leve sabor a pétala duma qualquer flor… apenas um leve sabor e tudo o que nos rodeia a seguir é tão-somente o amor…”

06/03/2006 Posted by | Diversos | | 11 comentários

esperando


.
“…as folhas das minhas roseiras aguardando as minhas rosas…”

02/03/2006 Posted by | Diversos | | 15 comentários

carnaval


.

“…no Carnaval toda a gente brinca e ninguém leva a mal; por isso, aproveitem o tempo das máscaras; vistam-se com as vossas melhores cores e aproveitem para se fazerem passar por pavões enquanto se pode porque o tempo vai mau para os pardais…”

24/02/2006 Posted by | Diversos | | 12 comentários

doce rosa


.

“…votos de uma boa semana para todos; como não podia deixar de ser, um pouco de rosa para embelezar o habitual fundo azul…”

20/02/2006 Posted by | Diversos | | 12 comentários

intervalo

“… bendito o intervalo de tempo e de espaço que nos separa de quando em quando… bendito o hiato entre o último abraço e o próximo, entre o último beijo e o que em breve trocaremos… bendito o intervalo que domina os nossos corpos quando eles se envolvem de novo numa dança de amor e ternura, na dança em que se revelam de novo um ao outro numa suave entrega e num delirante jogo de prazer… bendito o intervalo que nos faz doer e ao mesmo tempo saber que nos amamos em cada momento e milímetro do nosso ser… bendito o espaço que de longe se faz perto na espera do espaço que nos aproximará em breve e que, serenos na loucura da entrega, nos fará explodir na doçura desse nosso tão relaxante sorrir… nesse abraço que sabemos será apenas nosso ou nesse beijo que sabemos existir aqui bem dentro do nosso coração, beijo que nos permite suportar esta longa e ao mesmo tempo breve separação… bendito o intervalo que nos faz amar cada vez mais…”

14/02/2006 Posted by | Diversos | | 20 comentários

ponta


.

“…com estas novas tecnologias de ponta, venho desejar-vos um bom fim de semana; e não se esqueçam da velhinha esferográfica com a qual dantes se escreviam estas coisas…”

10/02/2006 Posted by | Diversos | | 19 comentários

seduzir

“…talvez seja essa tua força, invisível aos olhos humanos, que me seduz… talvez sejam apenas os teus olhos ou até mesmo, como já o tenho dito muitas vezes, a tua boca… talvez seja essa tua fragilidade ou essa tua doçura… talvez a tua ingenuidade ou até mesmo a tua garra… talvez a tua voz ou mesmo até o teu silêncio… talvez o teu tudo ou o teu nada… talvez seja essa tua pose de fazer face à luta ou a tua lágrima sentida… talvez a tua revolta ou até mesmo a tua cedência… talvez apenas o teu toque, o teu cheiro ou o teu beijo… talvez apenas o seres apenas tu e eu ser apenas eu… mas que me seduzes de verdade, não o posso negar…”

08/02/2006 Posted by | Diversos | | 11 comentários

sermos

“…nem sempre as acções completam as palavras ou vice-versa… por vezes, ficam-se por si mesmas e são suficientes; outras vezes, não… por vezes, pensamos ter dito tudo o que havia para dizer mas depois agimos de outra forma e lembramo-nos que ficou algo por fazer ou até mesmo somente por dizer… e, nessas alturas, perguntamos a nós mesmos onde falhámos ou por que razão falhámos e surge a culpa, o sentimento de culpa por termos falhado, por não termos dito ou por não termos estado… acontece na vida, a todo o momento, sem darmos por isso; atarefados que estamos com nós mesmos, esquecemo-nos que podemos, sem querer, ferir os outros… então, ferimos os outros não por voluntariedade mas sim por leviandade… e, muitas vezes, quase sempre, bastava estarmos atentos… esquecemo-nos de olhar, de ouvir, de sentir e só nos preocupamos com o nosso ser e estar… é preciso, pois, vivenciar em comunhão e estarmos atentos a tudo o que nos rodeia; agir dando uma mão ou uma palavra; agir escutando e dando um sorriso; dizer o que queremos e dizer o que temos para dar… ser e estar em conjunto com nós mesmos e com todos num só ser e estar…e para isso só há uma forma para lá chegarmos: amar…”

06/02/2006 Posted by | Diversos | | Deixe um comentário

purificar


.

“…os raios solares infiltram-se por todos os lados, por todos os poros, por todos os cantos… que eles também vos iluminem o fim de semana que se aproxima, com paz, muita luz e harmonia…”

03/02/2006 Posted by | Diversos | | 10 comentários

hiato

“…trago comigo a seda do teu cabelo, a maciez do teu beijo, a doçura do teu toque, o brilho do teu olhar, a atenção do teu escutar… trago comigo, na minha pele, na minha alma, no meu coração, a tua essência aqui brotada em mim durante os momentos da fruição dos seres que se tomam serenos mesmo num simples abraço… é apenas um hiato de tempo este espaço que nos separa… de resto, tudo está aí como tudo está aqui… um saber de um sabor a sentidos vividos em amor…”

30/01/2006 Posted by | Diversos | | 19 comentários

oferta


.

“…não sei o nome delas nem sequer o que possam ser… são apenas flores do meu quintal… pétalas diversas que enfeitam a terra que me envolve neste canto onde vivo… resolvi oferecer a sua beleza à minha doce rosa doce, mulher que amo e desejar a todos vós um bom fim de semana…”

27/01/2006 Posted by | Diversos | | 12 comentários

malaguetas


.

“…se alguém souber porque raio de razão é que me apeteceu postar aqui uma foto das malaguetas que o meu quintal produz, fará o favor de me dizer… sinceramente, eu não sei… foi assim tal qual um impulso… amor à primeira vista… talvez pelas cores… não sei… talvez pela sua textura ou, melhor ainda, pelo seu sabor… é que eu uso a malagueta em quase tudo… qualquer dia até na sopa eu vou usar malaguetas!… Vá-se lá agora saber o porquê!?…”

24/01/2006 Posted by | Diversos | | 10 comentários

divididos

“…o meu blog não é um blog político mas isso não faz de mim um apolítico… no meu blog raramente faço uso das palavras para me resignar ou indignar com as coisas que afectam ou não o País, o Governo, os Políticos, etc, etc… foco, por vezes, um ou outro acto eleitoral (como foi o caso do meu post anterior, por exemplo), um ou outro evento mais até como um exercício de escrita do que propriamente como um artigo de opinião; já fui Director de 2 jornais regionais e sei muito bem do que estou a falar… tive as minhas “lutas” antes do 25 de Abril e depois o enlevo de ver crescer o bem mais precioso do Homem: a Liberdade… ao longo dos últimos 30 anos, as “coisas” foram-se moldando ao sabor dos novos tempos e hoje fala-se da globalização, ou seja, mais ou menos, da união… ontem, fomos a votos e o resultado básico que eu retiro é matematicamente simples: 50,6 % direita versus 49,4% esquerda… uma divisão a meio, um olhar ingénuo sobre o que ontem aconteceu… é pena, tenho pena… uma nota final: não vi mantos de nevoeiro junto a Belém… um bom início de uma nova semana… um abraço…”

23/01/2006 Posted by | Diversos | | 7 comentários

reflectir


.

“…estamos num novo fim de semana e com necessidade de reflexão; que todos saibam limpar bem as suas lentes para exercerem correctamente o seu dever de voto no próximo Domingo e que, através desse voto se consigam vislumbrar, nos nossos bolsos mais alguns euritos… (ai, valha-me o Nosso Senhor dos Aflitos)… de qualquer das formas, um bom fim de semana para todos…”

20/01/2006 Posted by | Diversos | | 12 comentários

180

…rosas para ti, doce rosa doce… sem escolha de cor ou de aroma… rosas apenas… 180, uma por cada dia em que a tua existência me faz sorrir e avançar no caminho que tento gritar ao mundo, que tento gritar a todos os que me ouvem e mesmo aos que não me querem ouvir… rosas para ti num manto de pétalas em que mergulho e me sinto feliz…

16/01/2006 Posted by | Diversos | | 16 comentários

luz


.
…luz, paz, harmonia e um bom fim de semana…

13/01/2006 Posted by | Diversos | | 15 comentários

ouvir

“…se me quiseres dizer, diz; não guardes o que tens para me dizer… já sei que o que vais dizer é apenas o que me queres dizer; por isso, porque razão guardares dentro de ti o que me queres dizer?… isso, faz um esforço, não custa, vais ver… abre os lábios e pronuncia as palavras que queres que eu ouça… são difíceis de silabar?… Vais ver que não. Tenta. Vá lá, tenta mais uma vez. Isso, devagar… com suavidade, ternura… isso, com carinho, em silêncio talvez… Vês como não custou?… Não, não te preocupes: eu ouvi-as!… Obrigado, meu amor!…”

09/01/2006 Posted by | Diversos | | 16 comentários

desejo

“…desejaria ter o poder absoluto… desejaria ter o poder para resolver tudo… desejaria ser o tudo do nada ou mesmo o nada do tudo… desejaria ser e estar, poder estender um dedo e, tal qual um Midas, transformar o que quer que fosse no que quisera que viesse a ser… desejaria poder estender a mão e, tal qual um Mandrake, fazer todas as magias deste mundo… desejaria muito, mesmo, imenso… mas não posso, apenas penso… assim sendo, envio-te um beijinho simples, sentido e o desejo mais forte e mais pleno que o meu coração pode emitir: o desejo de te olhar e ver-te sempre a sorrir…”

06/01/2006 Posted by | Diversos | | 11 comentários

agradecer

“…2005 foi um bom ano para mim… ele me trouxe, felizmente, apenas acontecimentos bons… novos saberes e novos sabores (como costumo dizer…) com cores distintas e alegres… a dor, creio, não pousou nos meus beirais ainda que, por vezes, os tenha sobrevoado… a lágrima não rolou face abaixo ainda que, por vezes, tenha espreitado o declive da pálpebra… o desalento não acampou no meu terreno ainda que, por vezes, tenha trazido os apetrechos… foi um ano que, no seu balanço global, me trouxe novas e deliciosas vivências… foi um ano que plantou no meu jardim um rosa, uma flor de jasmim, cheiro a cravo e canela, tecido em suave marfim… foi um ano que me provocou o sorriso, que me deu o brilho de novo nos olhos, que me fez levantar do tormento anterior… um ano que me trouxe, em pleno, o amor…”

02/01/2006 Posted by | Diversos | | 20 comentários

feliz ano novo

2 0 0 6
“…é com um pouco de antecipação por razões de logística que vos venho desejar uma entrada perfeita no novo ano que aí vem… que ele vos traga tudo o que desejardes mas que, e em primeiro lugar, o amor inunde os vossos corações… um abraço sentido e de gratidão por tudo o que me deram neste ano que agora acaba…”

29/12/2005 Posted by | Diversos | | 25 comentários

laranjas


.
…as laranjas anunciam um novo ano que se aproxima…

26/12/2005 Posted by | Diversos | | 17 comentários

natividade


.

“…torna-se apenas num desejo breve mas sentido… num sentir de dentro para fora, de mim para todos vós… é um querer que a paz vos envolva, que a luz vos ilumine e que a harmonia se instale nos vossos corações… não um natal de rabanadas ou de outros doces, mas um natal de renascimento em cada um de nós do ideal do Amor, em nome dele e que ninguém se esqueça que, apesar de tudo, amar é e será sempre o único caminho!…”

19/12/2005 Posted by | Diversos | | 46 comentários

hoje

“…hoje é apenas mais um dia como tantos outros… hoje é apenas mais uma sexta-feira de tantas e tantas outras que passaram e ainda irão passar… hoje é apenas mais um dia nas nossas vidas… hoje é apenas, hoje!… Nada há a dizer sobre ele a não ser que hoje é o momento que estamos a viver porque ontem já não existe e o amanhã não sabemos se virá… cada um de nós refere o seu próprio “hoje” das formas mais diversas e por motivos diferentes; uns, amanhã recordarão o hoje com um sorriso, outros infelizmente talvez com uma lágrima… mas isso será apenas amanhã e o que está em causa hoje é o dia de hoje… e, hoje, sinto-me vivo e vou tentar cada vez mais viver cada momento mais intensamente para que possa ter em todos os “hojes” o meu sorriso aberto e a alma alegre por saber o quanto te amo!…”

16/12/2005 Posted by | Diversos | | 20 comentários

beatriz


.

…e porque hoje, a minha neta, faz 9 anitos, como não podia deixar de ser, lhe deixo aqui um beijo enorme e uma das minhas preferidas rosas, a dourada, porque dourados são os seus cabelos…

15/12/2005 Posted by | Diversos | | 12 comentários

poetar

“…eu queria compor um poema para ti… queria dedicar-te amor, a mais bela poesia que exprimisse a nostalgia das horas longe de ti… queria dizer-te quão triste é o ciúme que persiste e em minh´alma penetra… oh se eu fosse poeta!… Eu queria cantar o suavíssimo calor do teu olhar e depois rimar com o nosso amor… oh se eu fosse poeta!… Em estrofes dir-te-ia que és o sonho, és a magia que meu coração desperta… e cantaria no final um grande amor sem igual que em sonhos flutua… e com ternura e com paixão dar-te-ía o meu coração amando-te com todo o ardor, pois tu és somente o meu poetizar de amor!…”

13/12/2005 Posted by | Diversos | | 9 comentários

90 anos, bonita idade

…faz hoje, a mulher que no passado dia 8, há 60 anos atrás, me deu à luz, me trouxe a este mundo e tratou de mim… actualmente, sou eu que trato dela… devo-lhe isso… e um beijo grande de parabéns pela idade que completas hoje…

12/12/2005 Posted by | Diversos | | 20 comentários

agradecer

…a todas as pessoas que, de qualquer forma, ou por mail, ou por mensagem, ou por telefone ou aqui, nestes amáveis comentários, tiveram a gentileza de me desejar os parabéns pela passagem do meu aniversário… a todos eles o meu obrigado não só pelo acto em si mas também, e sobretudo, pela afirmação de amizade que ele deixa transparecer…
…queria, porém, aproveitar este post para referir que hoje, dia 9, há um ano atrás, nascia um blog “apadrinhado” por mim, o
Tijolices da nossa querida Mitsou que por ter sido ao longo deste ano que passou uma presença constante de alegria, optimismo e ternura, não só pelas suas palavras como também pelas suas músicas e as suas “gatices”, me permite afirmar que preencheu um espaço importante nas nossas vidas e que, por isso, lhe deixo aqui o meu beijinho de muita ternura e carinho pela data que assim comemora…
…um bem haja a todos pela vossa presença e pela vossa amizade…

09/12/2005 Posted by | Diversos | | 11 comentários

aniversário


.

“…durante o meu percurso até aqui, onde nos últimos anos tive a vossa amável presença, aprendi algumas coisas; uma delas foi, sem dúvida, que amar é o caminho… se morresse hoje e me fosse dada a possibilidade de pronunciar umas últimas palavras, diria que tinha valido a pena amar!…”

08/12/2005 Posted by | Diversos | | 56 comentários

reconhecimento

“…foi numa daquelas ocasiões em que, inserido no grupo que servia as tais refeições aos sem-abrigo, a conheci… conheci-a em dramáticas circunstâncias… estávamos a preparar uma das nossas rondas colocando as coisas dentro da carrinha quando um chiar de travões nos alertou para o inevitável… o estrondo ecoou por entre as árvores daquela rua e um guichar forte se seguiu… era uma cadela rafeira mas de grande porte, pêlo liso amarelo beje e o seu corpo veio ter com o grupo… depressa se arranjou um cobertor para a embrulhar e rapidamente retirámos as coisas de dentro da carrinha e a depusemos lá… levámo-la estilo ambulância em direcção a uma clínica veterinária ali perto da zona onde estavamos… fui eu mais um casal amigo que deu o nome da nossa instituição como responsável pelo animal… e assim a deixámos lá ficar… os dias passaram e senti necessidade de fazer uma visita à cadela internada… lembro-me que as Médicas Veterinárias me perguntaram o que eu pretendia e eu apenas disse que queria visitar uma doente mas nem sabia quem era nem onde estava… disseram-me para entrar e procurar… no meio imenso de diversas gaiolas cheias de doentes, uma cabeça grande de olhos brilhantes se levantou e me fixou… era ela… aproximei-me e falei com ela… a sua cauda abanou e quando lhe estendi a mão ela me lambeu, lambeu como se precisasse do sabor a sal da minha mão para sobreviver; mas não era esse o caso: estava apenas a agradecer; eu soube-o ali que ela estava apenas a agradecer a única visita que tivera… hoje, não sei a propósito de quê, lembrei-me dela… para terminar informo que passados mais uns dias ela teve alta e a instituição adoptou-a… mas, naquele momento senti que os animais sabem agradecer sem dizerem uma única palavra…”

05/12/2005 Posted by | Diversos | | 13 comentários

noites

“…dou por mim, às vezes, a lamentar a minha situação numa espécie de resignada forma de aceitar o que tenho de enfrentar; outras vezes, quase entro em desespero por me sentir incapaz de resolver o problema; ainda noutras ocasiões, sorrio e enfrento… existem lágrimas por vezes porque apenas o amor me traz o sorriso… então, há sempre alguém que me segreda que há sempre outrém que está em piores circunstâncias… eu sei que isso não me alegra mas faz diminuir a tensão… então, recordo aqueles anos em que andei a acompanhar aqueles grupos de assistência aos sem-abrigo… recordo e sinto o frio que eles sentiam… recordo e vejo o sorriso deles ao receber a sopa quente, o pão, o leite, o cobertor e tantas e tantas outras coisas que lhes dávamos entre a meia noite e as 3 das madrugada aos fins de semana… recordo e vejo-os deitados nos vãos de escada, debaixo das arcadas, embrulhados em caixas de cartão, com a cara tapada para que o bafo da respiração os ajudasse a aquecer… recordo e vejo-os sós, de olhos brilhando nos meus olhos, e eu apenas estendia a mão para entregar o que podia entregar… a raiva instalava-se dentro de mim por não poder gritar ao mundo aquele sofrimento… a dor deles passava para mim por eu não poder fazer mais nada… ali ou aqui bem perto no meu Porto, nas ruas, nas praças, nos recantos, nos jardins… na verdade, o meu problema actual não é nada se comparado com aquele sofrimento… dei um pouco de mim naqueles tempos, naquelas noites em que descobri o meu Porto que desconhecia… amei a dor tentando minimizar a dor deles… naquelas noites aprendi que também era possível amar, sofrendo… naquelas noites aprendi o que não sabia ser possível aprender… hoje, num dia frio e chuvoso, lembrei-me deles e aprendi que afinal o meu problema é de somenos importância…”

03/12/2005 Posted by | Diversos | | Deixe um comentário

o nome do meu amor

“…desce-me pela garganta o sabor do seu nome… entra-me pelos olhos a visão do seu nome e todos os meus sentidos percebem o seu nome… é como algo físico em si mesmo elaborado e expresso em sabores diversos… são sentidos como formas de ternas ocorrências nos momentos em que o seu nome é pronunciado… não é só o ouvir que me delicia, é também toda a sua forma e todo o seu significado… nada tem de extraordinário… é tão simples, tão normal e tão suave… de tudo o que ele é formado, é apenas uma única coisa mais: é o nome do meu amor!…”

01/12/2005 Posted by | Diversos | | Deixe um comentário

abraço

“…o abraço é entre as mesmas pessoas, com os mesmos gestos, com os mesmos braços, com os mesmos corpos, entrelaçados num beijo onde o desejo impera e a ternura penetra os sentidos… o abraço é forte, vivenciado e vivido… mas sempre igual ainda que na diferença do da chegada e do da partida…”

28/11/2005 Posted by | Diversos | | Deixe um comentário

advir

“…é, talvez, nos momentos que julgamos mortos que lançamos a semente da nossa imortalidade…”

25/11/2005 Posted by | Diversos | | 10 comentários

abuso


…da vossa paciência com mais outra das minhas rosas…

23/11/2005 Posted by | Diversos | | 9 comentários

obrigado

“…por todas as demonstrações de amor, amizade e carinho que me foram dispensadas no post anterior… obrigado pela vossa presença… obrigado por existirem, por estarem aí, desse lado, do lado de lá de mim, daquele lado que gostaria fosse não uma outra sala mas apenas um espelho, onde todos nos revíssemos de igual para igual, num clima de luz, de paz e de harmonia… é esse (e será sempre) o meu voto, aquele em que continuo a dizer para não esquecerem que “Amar é o caminho”…”

21/11/2005 Posted by | Diversos | | 11 comentários

2 anos

…completa hoje o segundo aniversário este espaço de lobices… pretendeu sempre ser um espaço de palavras sentidas pelo meu coração, aberto para todos vós e com todos vós cá dentro… um espaço de palavras e imagens vividas por mim e de mim para vós… agradeço a vossa presença e escrevo aqui hoje que apenas vos desejo a felicidade que me cerca, em que vivo e que com todos partilho… e, não se esqueçam, que amar é o caminho…

19/11/2005 Posted by | Diversos | | 60 comentários

123

… rosas para ti, meu amor, uma por cada dia …
.

16/11/2005 Posted by | Diversos | | 10 comentários

palavra

O meu post da passada sexta-feira, terminava assim:
“…é isso que sinto, é isso que vivo neste meu tempo de agora, neste meu momento de estar na vida… amo e sou amado…”
…hoje, apetece-me apenas escrever meia dúzia de palavras; nada de especial; simples e sem floreados, sem rimas ou outro tipo de sombreados; aquelas formas que dão às palavras o sentido que queremos mas que, ao mesmo tempo, as embelezamos com serenos verbos ou calmos adjectivos… não, hoje quero apenas escrever palavras sobre sabores e saberes afectivos… aqueles que se vivem quando se ama e se é amado… nem é bem a palavra que procuro, talvez até nem exista, mas tenho-a aqui comigo e, para além dela, tenho o saber absoluto de que quem amo e por quem sou amado, também a conhece… basta-me então essa palavra, basta-me então, talvez e até, apenas a sua sonoridade… uma palavra simples e ao mesmo tempo enorme… hoje, apetece-me apenas dizer: “Tanto

14/11/2005 Posted by | Diversos | | 10 comentários

amar

“…um pequeno mote me foi dado: «…o amor no outono da vida, vive-se como se fosse uma primavera florida…»… nada mais verdadeiro, mais sentido e tão claro… amar é tão simples; é sentir apenas o presente da dádiva que podemos fazer da nossa entrega de nós mesmos a nós próprios e aos outros… amar é ser e estar aqui e lá, onde quer que esteja quem se ama… é ter, dentro do coração a magia do saber tão límpido de que amar é pura emoção e que com ela podemos transformar não só o que somos mas também o que nos rodeia… é isso que sinto, é isso que vivo neste meu tempo de agora, neste meu momento de estar na vida… amo e sou amado…”

11/11/2005 Posted by | Diversos | | 12 comentários

encontro

“… o tempo demasiadamente lento… as horas e os dias demoram eternidades… sente-se a pressa e as saudades… é preciso que as horas voem… é preciso que a manhã do dia seguinte surja rápida com a certeza de mais um dia que passou… é menos um dia na contagem voraz de quem sente desejo de um novo encontro para sentir a tal paz… a serenidade do abraço que nada tem de sereno mas de forte, de pura ternura e ao mesmo tempo de paixão… rege-se então a dádiva da presença… gostosa… imensa… e os corpos se abraçam num rodopiar sem fim, num beijo prolongado, doce, com sabor a jasmim… e a ternura e o amor não termina ali… prolonga-se na alma do sentir que se ama… perde-se então a noção do tempo que se ganhou na espera… é um momento mágico aquele em que enlaçados, deixamos de ser o que somos para passarmos a ser o beijo de um tão doce e eterno desejo…”

08/11/2005 Posted by | Diversos | | 7 comentários

sonoridades

“…amo-te demais…”…também te adoro tanto…”: Palavras que são as que queremos que sejam… palavras que não soam em vão e que tanto gostamos de dizer e de ouvir… palavras que ecoam ao longe de um certo porvir ou quem sabe, de um querer determinado e preciso… palavras que fogem ao nosso controle… palavras que surgem breves e por serem doces se tornam eternas… palavras que quero sejam gritadas, corridas, serpenteadas, luzidas e mesmo assim, palavras sentidas… palavras que nos vão dentro da alma e não palavras ocas, desprovidas de teor… quero que as tuas palavras e as palavras minhas, sejam palavras paridas de dentro de nós gritando o amor!…

06/11/2005 Posted by | Diversos | | 13 comentários

sorrir

“…é um cair leve de neve… é um sopro quente de brisa… é um suspiro de uma alma pura e serena… é algo de belo e perene… é um ardor mascarado de asas finas e plumas de seda nua… descendo de quem e de manso desce sobre alguém… traz nele a beleza do infinito… a alegria estampada no rosto, se lhe deres um sorriso…”

04/11/2005 Posted by | Diversos | | 14 comentários

amor

“…o amor pode ser muito pequenino mas é como a gota de um rio que corre para o mar e em cada gota, desse rio que corre para o mar, há a respiração fortíssima do oceano…”

02/11/2005 Posted by | Diversos | | 14 comentários

desenho

“…desenhei meu corpo nas águas profundas do rio que em mim corre e nele me percorri em tons de azul, cor do céu que nunca morre… desenhei minha alma nas ondas do poderoso mar que fora de mim se move e nele a desenhei em tons de branco nobre, leves, mas sóbrios… desenhei meu corpo em minha alma e a mistura se fundiu em tons vermelhos de puro sangue… e minha alma, pária de si própria, desenhou no meu corpo a felicidade de se saber comigo e não mais solitária… desenhei, por fim, no mais profundo de mim, um campo de flores, de todas as cores, exalando todos os perfumes, completamente preenchidas com todas as vossas dores…”
.
(escrito em 1960)

31/10/2005 Posted by | Diversos | | 13 comentários

simplicidade


(sem legendas)

30/10/2005 Posted by | Diversos | | 7 comentários

luminosidade

“…do meu sul me chega, através da vidraça da minha porta, neste meu canto sentado a escrever estas palavras, a luz imperfeita de um sol que teima furar o enevoado céu… quis apenas registar o momento…”

28/10/2005 Posted by | Diversos | | 10 comentários

words

“… houve um momento durante o qual as palavras lidas não me faziam sentido… era como se eu estivesse a ler algo que nunca tivesse lido mas ao mesmo tempo conhecesse em absoluto o seu teor e, daí, a estranheza de as ver ali… aos poucos, elas começaram a ter vida ao descobrir que mais não eram do que palavras que descreviam o meu próprio eu… reparei então que me desconhecia; se não as estava a entender é porque não me conhecia… sensação dura a de me ver ali estampado e dizer que de tão cego que estava não me estava a ver… sem aquelas palavras, possivelmente morreria sem me descobrir… hoje, exulto de alegria por me saber ali, nelas retratado e aqui, nelas vivo… obrigado…”

26/10/2005 Posted by | Diversos | | 8 comentários